Seguidores

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Capitalismo contra a Guarda Municipal

Autor: Eder Barreto
Guarda Municipal de Teresópolis - RJ
Portal O Guarda Municipal de Teresópolis.


A Atividade Delegada vem mais uma vez incomodar nossos irmãos, agora em Niterói-RJ, não esta só em São Paulo, onde começou, mas se espalha como uma grande ofensa a nossa Corporação, trabalhadores comuns em fábricas são substituídos por máquinas todos os dias, já nós, há longo prazo se continuar assim parece que vamos ser substituídos totalmente por policiais, é a lei do capitalismo, sai mais barato só pagar o combinado no contrato e se der problema não renova e contrata outro. Já guardas custam viaturas, uniformes e treinamento..., "é mais fácil" ter um profissional pronto para exercer a função que o guarda exercia, e não ter este profissional fixo na folha de pagamento. Gerando assim diminuição de concurso para guardas: desemprego: desigualdade social... Na GM de Niterói já não haverá mais tantas vagas para guardas no próximo concurso, como era divulgado, confira no link: http://oglobo.globo.com/niteroi/policiais-vao-trabalhar-fardados-em-dias-de-folga-3589881

Por outro lado a Atividade Delegada deixa nossos policiais trabalhando por mais horas semanais o que os cansa mais rápido, é mais fácil aprovar a PEC 300 e pagar dignamente a Policia. Bons policiais merecem ganhar bem, e ter um bom descanso, pois arriscam suas vidas todos os dias, mas o sistema os “sujeita” a trabalhar pro Estado fazendo extra no Município, e eles (os políticos marqueteiros) querem dessa forma e nós guardas levamos mais esta pancada no estomago cada vez que uma cidade adquire a Atividade.

Aguardamos ansiosos já há um ano pela regulamentação que esta por vir a ser, espero, concluída, e pela PEC 534 desde 2002, inclusive a regulamentação após ficar pronta pode ainda vai seguir caminho parecido ao da PEC 534 que esta há bastante tempo pronta para pauta na Câmara dos Deputados, então alguma coisa tá errada. Por que não votão e aprovam, ou não? Eles têm medo que exerçamos a função da Polícia, mas espera ai, a PM não exerce parte de nossas funções na “Atividade Delegada”, nem vou partir pro lado jurídico, embora não tenha diploma superior algum, me basearia na lei melhor que muitos “especialistas” em segurança, que são corporativistas e marqueteiros, e ainda “não entendo” como nossa Ação Direta de Inconstitucionalidade foi negada em 2010 pela Ministra STF. Tenho o direito de não “entender”.

Fui convidado pelo Naval, organizador da Marcha Azul Marinho para participar de uma das marchas, porém minhas condições não permitiram, mas se pudesse ir marcharia com uma vela branca grande, e uma faixa preta no ombro com a palavra: luto antecipado. Quando alguém me perguntasse o motivo, diria: Estão tentando matar a Guarda Municipal, se continuar assim daqui a dez anos, ou menos, vamos ser uma sombra do que somos tomando conta de almoxarifados, como se estivéssemos lá guardados.

Não sou católico (nada contra), e nem gosto de cheiro de vela, mas marcharia até ela derreter toda, fica ai a dica para a próxima.

Enfim, doa a quem doer, a luta continua...

Um comentário:

  1. Antonio da Rocha Posso20 de janeiro de 2012 14:40

    A maior prejudicada com a Atividade Delegada é a população que está sendo ludibriada com um conto de fadas, arquitetado e manipulados pela cúpula dos milicianos.

    Tentam vender uma sensação de segurança quando na verdade estamos diante de uma insegurança total com policiais trabalhando carga horária desumana, o que contribui no risco iminente a vida de um cidadão de bem.

    Em uma situação real, esse policial não inspira segurança, pois todos os seus sentidos estão prejudicados pelo cansaço físico e mental, e o problema maior disso tudo é se tiver que fazer uso de seu equipamento de trabalho (arma letal), pois colocara em risco a vida de terceiro inocente.

    Além do mais, não vemos transparência na prestação de conta do dinheiro destinado ao pagamento de policiais militares de fogo, em tese, prestando serviços à municipalidade, principalmente quanto as verbas (dinheiro) destinado ao pagamento de oficiais de gabinete (tenentes a coronéis) que via de regra cumprem expediente diário nas unidades policiais.

    Como se explica então receberem uma verba pública pela prestação de um serviço que tecnicamente não tem como terem realizado, pois cumprindo expediente a serviço da Polícia Militar já recebem por esse serviço através de verbas públicas do próprio Estado Federativo.

    Acredito ser um engodo, a população está sendo enganada e o destino das verbas públicas para essa finalidade não se justifica, onde está o Ministério Público Federal e Estadual que ainda não perceberam que se trata de uma Improbidade Administrativa a forma como estão destinado verbas para o pagamento de policiais militares da Operação Delegada.

    Ademais, a verba destinada para essa finalidade compromete todo o orçamento destinado a folha de pagamento de servidores, depois os gestores viram com a justificativa de que não tem dinheiro para atualizar os salários dos servidores pelo índice inflacionário com a justificativa que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal.

    ResponderExcluir