Seguidores

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Um ser chamado Guarda Civil

Ser guarda civil é apaixonante, mas é uma profissão de risco e que incomoda muita gente, principalmente os delinqüentes e os traidores da pátria.

Ser guarda civil é saber à hora de sair sem saber a hora de voltar! “se Voltar”.

Ser guarda civil é presenciar tragédias sem poder se comover, socorrer enfermos sem poder sofrer Ser guarda civil é estar diante de emoções sem poder chorar é estar acordado, enquanto todos dormem, é amar sem ser amado, é compreender sem ser compreendido, é ser punido no reino da impunidade.

Ser guarda civil é conviver com a inversão de valores sociais, onde o delinqüente é protegido por direitos humanos. Direito esse que não se apresenta as vitima aos cidadãos e aos guardas civis (MORTOS), nem seus familiares, mas eficiente em se apresentar contra a atuação do estado de direito que pune seus criminosos.

Ser guarda civil é ter estrutura para suportar demagogia e a hipocrisia.

Ser guarda civil é ter idealismo é acreditar em uma sociedade, que deles se lembrará, não somente para resolver interesses particulares ou para criticá-los, mas que o enxergará como um amigo, uma pessoa com qualidade e de feitos iguais as outras pessoas, que não merecem ser discriminadas e generalizadas como alguém infeliz e que juntos guardas civis e sociedades possamos contribuir para um Brasil melhor.

Ser guarda civil é viver para a sociedade combatendo o marginal, reprimindo a criminalidade.

Ser guarda civil é defender às famílias contra o mal livrando de qualquer armadilha.

Ser guarda civil é ser um sacerdócio creditando num ente espiritual.

Ser guarda civil é poder não ser compreendido, mas ser leal à sociedade e seu país.

*02/02/1968 †31/10/2010


Ao Amor

Você partiu já faz um ano, mas deixou muitas saudades, somente deixarei aqui, meu carinho e amor e agradecer a Deus pelo o que me ensinou na trajetória da nossa união.

Amarei-te sempre


Roseli Santana

sábado, 29 de outubro de 2011

Classificação ao 2º Turno do Prêmio TOP BLOG – Edição 2011

Prêmio Top Blog 2011 - Finalistas

É com imensa satisfação que informamos que o Blog “Os Municipais” foi classificado nos Top 100 da categoria Comunicação do Prêmio Top Blog Edição 2011, o credenciando para a disputa do 2º Turno.

O período de votação do SEGUNDO TURNO pelo Júri Popular (Internauta) e avaliação pelo Júri Acadêmico é do dia 22/10/2011, às 02:00am até 22/11/2011, às 11:55pm horário de Brasília.

São eleitos vencedores do TOPBLOG PRÊMIO JURI POPULAR / TOP3 - os Três Blogs que obtiverem em sua categoria o maior número de votos pelos internautas (Júri popular), sendo respectivamente primeiro colocado (TOP1), segundo colocado (TOP2) e terceiro colocado (TOP3).

São eleitos vencedores do TOPBLOG PRÊMIO JURI ACADÊMICO / TOP3 - os Três Blogs que obtiverem em sua categoria a maior nota nos critérios técnicos constituídos pelo júri acadêmico, sendo respectivamente primeiro colocado (TOP1), segundo colocado (TOP2) e terceiro colocado (TOP3).

Estar entre os 100 Blogs classificados é uma conquista de todos nós, pois conseguimos despertar o interesse para o debate sobre os rumos da segurança pública em vários segmentos de nossa sociedade, o Blog “Os Municipais” está concorrendo na categoria Notícias e Cotidiano, contamos com apoio de todos no 2º Turno.

Para votar acesse: Os Municipais

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ainda vale a pena?

Inspetora da Guarda Civil Metropolitana da Cidade de São Paulo

Partilhar nossos sentimentos sobre assuntos técnicos – tão da natureza humana e tão discutidos na atualidade - como ética, postura, comprometimento, parece fácil, mas não é! Contudo vou correr o risco mais uma vez e falar sobre isso, considerando a minha infinita ignorância e simplicidade. Risco de falar demais, ou melhor, escrever demais, ser piegas e até mesmo ingênua, risco de errar a mão para mais ou para menos, mas vou correr o risco assim mesmo!

A vida é assim... correr riscos! Decisão tomada. Pois a vida também é feita de decisões. É preciso estar em paz com minha consciência, pelas decisões tomadas. Por isso estou em busca constante desta paz, que só é possível através de reflexões individuais e coletivas, de meus conflitos internos principalmente; de análise sobre as decisões tomadas, mesmo que muitas vezes o resultado seja alguns erros. Mas o importante é a ação envolvida na vontade e a responsabilidade de colocá-las em prática.

Eu não poderia deixar de citar o Jubileu de Prata da Guarda Civil Metropolitana. Tardio o assunto? Não tem problema, este ciclo – Guarda Civil Metropolitna - ainda não acabou, lembra?


Após 25 anos de existência e ao receber a cada quinze dias, o efetivo para o Estágio de Qualificação Profissional – EQP - cresce a certeza do quanto é importante a postura, as tomadas de decisões, os sentimentos revelados de cada integrante desta instituição, principalmente os responsáveis a trilhar os caminhos a serem seguidos.

Muitas vezes não realizamos nada, pois ficamos à espera de grandes momentos para realizarmos grandes feitos. Perdemos então, a oportunidade de realizar pequenos feitos e receber grandes resultados.

- “Vou fazer o possível”!

Segundo Mario Sérgio Cortella em seu livro “Qual é a tua obra?”, não basta fazer o possível, é necessário fazer o melhor! Só assim será possível a evolução de todo processo, principalmente quando se trata de mudança de comportamento, de posturas, de paradigma. Eu também sou responsável por fazer o melhor, dentro daquilo que é permitido que eu faça claro, e, pra minha surpresa, muitas coisas são permitidas, o fato é que eu me apego e valorizo aquelas que não são. Dessa forma o “monstro” do “não é possível” cresce de maneira assustadora impedindo a transformação permanente, inclusive do meu processo de evolução individual.

Em uma conversa, entre eu e uma Inspetora, sobre pequenas ações e pequenos gestos, que realizamos no dia a dia e o impacto que isto causa, acabei por não dizer a ela o seguinte:

- Pois é Senhora Inspetora! São de pequenos gestos e ações que nos são revelados GRANDES HOMENS e MULHERES também! E é através do seu melhor que hoje nos revela que é possível continuar a acreditar, realizar e concluir que: SIM, AINDA VALE A PENA!


Leia o artigo "O ciclo ainda não terminou".

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Força Municipal

Autor: Elvis de Jesus
Inspetor da Guarda Municipal de São José dos Campos SP

Blog Miliciano Municipal
email: gcmelvis@hotmail.com

Força Pública Municipal ou Força Pública Metropolitana, de natureza civil, organizada e estruturada em carreira única, baseada na hierarquia e na disciplina, com dois segmentos distintos sendo um uniformizado e outro em trajes comuns sob coordenação central, terá a missão de:

a)   Realizar através do segmento uniformizado o policiamento ostensivo de segurança e ordem pública sobre pessoas, bens e direitos em todo o território do município ou Região Metropolitana que mantenha Consorcio Metropolitano de Segurança Pública, inclusive nas estradas vicinais e vias urbanas;

b)   Realizar através do segmento uniformizado a proteção, defesa e segurança dos bens, serviços e instalações, bem como dos agentes públicos municipais ou a serviço do município;

c)  Exercer através do segmento uniformizado o serviço de proteção contra incêndios, buscas e salvamentos, bem como o serviço de Defesa Civil no âmbito do município;

d)  Realizar através do segmento uniformizado e em trajes comuns a prevenção e repressão ao tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, bem como as ações de Polícia Administrativa naquilo que for afeto ao municipio;

e)   Exercer através do segmento uniformizado e em trajes civis a proteção de autoridades municipais;

f)  Realizar através do segmento uniformizado o policiamento da Casa Legislativa do município;

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um ano sem nosso Xerife

Autor: Wagner Pereira
Classe Distinta da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo
Bacharel em Direito pela Universidade São Francisco

Romeu Tuma provavelmente foi uma das principais personalidades de história policial do Brasil, alguns preferem destacar sua atuação durante o período do regime militar, indicando suposta participação na preservação dos envolvidos na tortura aos presos políticos, porém, para a maioria dos brasileiros fica a figura do Xerife que buscava incansavelmente promover segurança a todos.

Ingressou na carreira policial aos 20 anos de idade, ocupando o cargo de investigador na Polícia Civil do Estado de São Paulo, ascendo constantemente na carreira, chegando ao posto de Diretor de Polícia Especializada, em 1983 assumiu a Superintendência da Policia Federal de São Paulo.

Os casos mais notórios solucionados pelo Xerife foram à morte de Joseph Mengele e a prisão de Thomazzo Buscheta, que o credenciou a integrar os quadros da Interpol.

Na política foi eleito Senador por São Paulo em duas oportunidades, sendo voz ativa nas discussões sobre as políticas públicas para a segurança pública, principalmente na defesa por melhores condições de trabalho e pelo piso nacional para os profissionais do segmento, além da luta constante em prol da defesa dos Direitos Humanos e contra a impunidade.

Romeu Tuma foi um dos maiores defensores do Projeto de Emenda Constitucional que amplia as competências das Guardas Municipais, conhecida como PEC 534/02, além de sempre demonstrar um carinho especial por essas Corporações.

No dia 26 de outubro de 2010 fomos surpreendidos com a notícia de seu falecimento, mas a estrela de nosso Xerife continuará reluzir, permanecendo imortalizada em seu pensamento, que lembramos:

As possibilidades de suprimir a liberdade são diretamente proporcionais às chances de se extinguir, não uma raça, um povo, uma nação, mas sim toda a espécie humana. É esta a grande mensagem histórica deste século às gerações futuras”.
Romeu Tuma

Ilustração Wagner Junior - Blog Caixa da Arte


terça-feira, 25 de outubro de 2011

TRIBUTO AOS HERÓIS ANÔNIMOS

Supervisor da GCM de Jandira, consultor de segurança pessoal, graduando do curso de gestão em segurança privada/UNIP diretor da CS3 Consultoria em Segurança,  colaborador do CONSEG Alphaville/Tamboré

O que empurra um homem para uma profissão de tal risco?

A opção de um emprego?

A vocação?

O orgulho?

Talvez sim, mas o desejo maior desse homem é de servir à sociedade, de salvar vidas, de proteger o indefeso, ser herói anônimo.

Profissão de guerreiros, onde não é admitido o medo, a covardia, a omissão. Mas quem não tem medo? Afinal esse homem é de “carne e osso”, sujeito as mesmas emoções, sentimentos e medos que qualquer pessoa tem. Os medos afloram à toda situação de risco, sendo controlado , deixando esses homens sempre espertos e atentos. O convívio com situações de emergências se intensifica a cada dia, obrigando o mascaramento, pois afinal “Herói” não tem medo de nada.

Um chamado no rádio da viatura informa uma ocorrência, o deslocamento veloz na expectativa de evitar o crime. Situações muitas vezes tristes, dramáticas e mesmo traumatizante, quando nos defrontamos com o crime, a violência, o acidente, a ilegalidade a fatalidade. Estas situações e responsabilidades que são colocadas nas costas desses homens de farda.

A população reclama porque acha que é muito fácil manter a ordem pública na cidade. Mal sabe que, enquanto o jantar está sendo servido na família, na frente da televisão, no conforto do lar, do outro lado, no submundo, muito sangue está correndo, o nosso e o dos marginais. O serviço policial é o elo que separa a sociedade e o submundo do crime.

É engraçado, ninguém fala ao seu dentista sobre uma extração de um dente ou uma restauração, ou nem se arrisca a falar ao médico que ele está fazendo uma cirurgia errada, mas todos parecem que entendem sobre segurança pública. Em muitas ocorrências, o cidadão com expectativas esperando que esse homem fardado resolva todos os seus problemas, do outro lado esse homem esperando cooperação, compreensão, solidariedade... Difícil Hein! Onde resta quase sempre alguma mágoa ou decepção, misturada com uma sensação de dever cumprido.

As dificuldades da profissão, principalmente sobre as injustiças, os acertos são pouco elogiados, mas seus erros são duramente criticados pela sociedade e pela mídia. São poucos que reconhecem o árdua trabalho, pois na maioria preferem criticá-los. São profissionais que trabalham sob pressão permanente, enfrentando os mais diferentes tipos de adversidades e injustiças.

A rotina do dia-a-dia segue, mais um serviço, mais um plantão, mais uma noite, preleção, recomendações, alguns ajustando o equipamento, outros vestindo o colete a prova de balas. Últimos preparos e estão mais uma vez nas ruas .

Durante a noite o rádio grita “Companheiros Baleados…, Companheiros baleados”.

As viaturas se deslocam em alta velocidade no apoio, todos com um só pensamento “companheiros estão em perigo.

O silêncio do rádio aumenta a ansiedade.

Precisamos chegar!

O rádio volta a gritar ” Companheiros baleados gravemente…estão sendo socorridos.

“O coração dispara, os olhos lacrimejam, quem será ?…

….Novamente o silêncio do rádio é quebrado, e é informado algo ninguém quer ouvir

…Infelizmente informamos a toda rede que nossos companheiros acabaram de falecerem no PS”.

Os sentimentos se misturam, desolação…, sensação de impotência… revolta…tristeza…..choro.

Em meio a tudo isso, um pensamento ecoa “Poderia ter acontecido comigo. Amanhã quem será ?

Será que serei o próximo?

O perigo é nosso companheiro permanente, a morte em serviço significa o mais alto preço pago para a preservação da ordem pública e o restabelecimento da tranqüilidade de cada cidadão, esses homens não são parte do problema na segurança pública, e sim parte da solução.

A índole e o desejo profissional são mais que fato, o desejo de se defrontar com o inimigo é quase uma paranóia.

Esses homens de farda sonham com o dia do primeiro tiroteio.

Não para que esse dia não chegue, mas para que chegue rápido.

Todo cidadão sonha e reza para nunca encontrar um marginal pela frente.

Esses heróis torcem para que isso aconteça o tempo todo e ” quanto mais armado e apetitoso, melhor ainda ” Heroísmo, loucura, sabe-se lá ! O fato é que algo muito forte nos empurra para o perigo, e a cada dia a missão será cumprida..! Companheiros tombaram, mas para aqueles que continuam na batalha, e que em suas veias correm a vontade de ajudar os outros, servir a sociedade, vestir a farda com orgulho do que faz , que escolheu a missão de defender o cidadão de bem, confrontar o crime e que nisto arriscar a própria vida, a guerra não acabou. ” A missão continua “.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Amor-Exigente


O Amor-Exigente é um programa de auto e mútua ajuda que desenvolve preceitos para a organização da família, que são praticados por meio dos 12 Princípios Básicos e Éticos, da espiritualidade e dos grupos de auto e mútua-ajuda que através de seus voluntários, sensibilizam as pessoas, levando-as a perceberem a necessidade de mudar o rumo de suas vidas e do mundo, a partir de si mesmas.

Há 26 anos, o Amor-Exigente (AE) atua como apoio e orientação aos familiares de dependentes químicos. O Programa eficaz estendeu-se também ao trabalho com Prevenção , passando a atuar como um movimento de proteção social Amor-Exigente, pois desestimular a experimentação, o uso ou abuso de tabaco, do álcool e de outras drogas, assim como lutar contra tudo o que torna os jovens vulneráveis, expostos à violência, ao crime, aos acidentes de trânsito e à corrupção em todas as suas formas são também propostas do Amor-Exigente.

Atualmente, o movimento conta com 10 mil voluntários, que realizam, aproximadamente, 100 mil atendimentos mensais por meio de reuniões, cursos e palestras. São 536 grupos no Brasil, 2 na Argentina, 1 no Peru e 9 no Uruguai, além de 350 grupos em fase experimental e 249 Subgrupos de Jovens na Sobriedade.

A FEBRAE- Federação Brasileira de Amor-Exigente - teve sua fundação instituída em 18 de novembro de 1994. Surgiu da necessidade de congregar os grupos que vinham atuando na linha do Programa Amor-Exigente (AE), de modo a favorecer maior eficiência e melhores resultados.

Com o alto nível de credibilidade do Programa, mais e mais grupos de ajuda mútua, para dependentes químicos e familiares, foram-se instalando. Assim, para preservar a integridade da proposta de trabalho com Amor-Exigente, sua linha de funcionamento e objetivos, foi instituída a FEBRAE.

Em 2009, com a criação do Novo Estatuto, o nome da federação mudou para FEAE - Federação de Amor-Exigente , acolhendo assim os grupos que nasceram fora do país e ampliando as fronteiras para a atuação do movimento.

Grupos Permanentes
Subgrupos de Pais - Para pais que buscam maior Qualidade de Vida

Pais em busca de apoio porque já têm problemas com os filhos, eis o grande desafio do Amor-Exigente. Chegam machucados, sofridos, cheios de medo e de pudor… acabaram de ver confirmadas as suspeitas: seu filho está usando drogas! Ou, então, já tentaram tudo, e o Amor-Exigente é o último recurso.
 Seus jovens passaram por um lento processo de desajustes: na escola, em casa, na rua, e estão chegando a um ponto insustentável. A família inteira está desestruturando-se, rapidamente.
Nossa proposta é analisar profundamente os 12 Princípios básicos do AE e estabelecer, a partir deles, o alicerce do relacionamento dos pais com os filhos.
Para isso, realizam-se reuniões semanais com o grupo de apoio, durante as quais os pais são informados, esclarecidos e orientados a não aceitar o comportamento agressivo e violento dos jovens. Essa não-aceitação acaba desencadeando no filho a decisão de mudar de atitude.
Fixar limites ou metas, semanalmente, com a ajuda e criatividade do grupo é o que dá coragem e condições de os pais, passo a passo, eliminarem a inadequação dos filhos.

Subgrupos de Jovens na Sobridade - Para os dependentes químicos em busca de recuperação

O Amor-Exigente tem também grupos para jovens:

•  Jovens sozinhos, procurando ajuda e orientação.

•  Jovens trazidos pelos pais.

•  Jovens procurando ajudar outros jovens. 
Esse trabalho tem uma abordagem diferente, apoiada, porém, nos mesmos valores éticos e espirituais dos grupos de adultos.
Os 12 Princípios do AE, com a partilha e as metas semanais, irão reestruturar a vida do jovem.
Trataremos, noutro momento, desse trabalho e de sua organização. Entretanto, podemos adiantar que ele se destina especialmente a jovens que ainda não chegaram ao “fundo do poço”, ou seja, não atingiram grau insuportável de sofrimento e, portanto, continuam sentindo prazer com o uso abusivo de álcool e/ou outras drogas. Estão nos grupos não porque querem ajuda de fato, mas por outras diferentes razões: mesmo assim, no final, dá certo!
Para você, para o casal, ou para o jovem: no final, dá certo!

Subgrupos de Cônjuges - Para os parceiros dos dependentes

O olhar de Amor-Exigente é humano e individualizado. Por isso, a necessidade da criação de subgrupos que tratem de questões segmentadas, como as dos Cônjuges de dependentes químicos e / ou de pessoas voltadas para outras compulsões.    

Os companheiros, sejam esposas, namorados, noivos, parceiros vivenciam a relação com o dependente de uma forma diferenciada. A questões que são trabalhadas com os pais, não são as mesmas que afetam os parceiros. Portanto, por meio da mesma metodologia, o AE se propõe,  através dos Subgrupos de Cônjuges, a auxiliar estas pessoas a cuidarem de sua codependência (transtorno que afeta os que convivem com situações caóticas, como a dependência química), encontrando qualidade de vida.

Dentro desta abordagem, o AE também conta com um grupo exclusivamente para mulheres que tiveram ou têm relacionamentos afetivos com dependentes. O objetivo é proporcionar um ambiente propício para que elas busquem voltar o olhar e o cuidado para si mesmas e estarem atentas à criação dos filhos que são frutos destas relações e que, por sua vez, precisam de atenção especial.

Subgrupos de Amor-Exigentinho - Para fazer prevenção com crianças e adolescentes

Para trabalhar a prevenção universal, diretamente com as crianças e adolescentes, o AE deu vida ao Amor-Exigentinho. A proposta, voltada para o público infanto-juvenil, utiliza os Princípios Básicos do Programa de forma lúdica, clara e objetiva, visando auxiliá-los a adotar atitudes responsáveis e saudáveis.

A espiritualidade também ganha espaço no trabalho que acontece , de forma itinerante, em escolas, Igrejas, ou em locais em que os pais estejam participando dos Cursos os Grupos de Prevenção com AE.

O Programa traz a música, a dança, o teatro, a literatura para configurar o pano de fundo para ensinamentos que promovem uma nova forma de viver baseada em valores morais, éticos, na qualidade de vida, na alegria e no amor.

Subgrupos de Sempre é Tempo - Para Adultos Maiores em busca de qualidade de vida

Motivados a apoiar pessoas mais velhas com a “síndrome do ninho vazio” ou com o desafio de cuidar dos netos enquanto os pais trabalham e/ou estudam, o AE ativou os subgrupos de “Sempre é Tempo”. Com a mesma programação -  abertura de 40 minutos no Grupo e 80 minutos no Subgrupo, para metas e partilhas, o trabalhado é norteado pelos 12 Princípios Básicos, 12 Princípios Éticos e a Espiritualidade visando ajudar quem deseja ficar cada dia melhor


Maiores informações acesse o Portal Amor-Exigente




sábado, 22 de outubro de 2011

Guarda Municipal de Belo Horizonte - GMBH

Criada em 2003, a Guarda Municipal de Belo Horizonte é, hoje, exemplo para o resto do Brasil. a instituição recebeu indicações do Ministério da Justiça para levar a experiência das ações realizadas em Belo Horizonte para outros municípios do país.

A objetivo da criação da Guarda Municipal é proteger os funcionários e usuários dos serviços públicos, bem como preservar o patrimônio do município, evitando conflitos e atos de vandalismo em praças, museus, parques, escolas, centros de saúde e outros locais de maior concentração de pessoas.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte
Além de cuidar dos bens da cidade, os 1.857 homens e mulheres da Guarda Municipal contribuem com o Sistema de Defesa Social do Estado de Minas Gerais. Sua interação com as polí­cias Militar e Civil e o Corpo de Bombeiros resulta em um trabalho mais eficiente na prevenção e controle da transgressão e dos chamados pontos de tensão social.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte
Prevenção

A Guarda Municipal realiza avaliações de segurança nos espaços físicos da Prefeitura. Todos equipamentos municipais serão avaliados. A análise envolve aspectos relacionados à segurança do trabalho, prevenção contra incêndio, riscos de desabamento, sinalizações específicas e condições das estruturas físicas, entre outras situações. Atenção especial está sendo dada a possíveis focos de dengue, que serão avalia­dos e erradicados.

A segurança do patrimônio público será reforçada com a instalação de 40 câmeras de vigilância monitoradas. A medida faz parte do projeto sustentador Vigilância Eletrônica, integrante do programa BH Metas e Resultados.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte
Projetos

São desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Segurança Urbana e pela Guarda Municipal cerca de 39 projetos que têm como objetivo a formação dos seus agentes, a orientação dos funcionários públicos e a proteção da população. Um destes projetos é o Escotismo na Guarda Municipal, que prevê a implantação de grupos escoteiros formados por crianças de 6 a 9 anos de idade em todas as regionais.

Outro importante projeto é o Educação para Segurança Pessoal, criado para difundir métodos e técnicas preventivas de segurança individual e coletiva nas unidades municipais. As ações são realizadas através de palestras e distribuição de cartilhas e exibição de vídeos aos servidores e usuários nas salas de espera e de atendimento dos centros de saúde, escolas, restaurantes populares, serviços de atendimento ao consumidor, centros culturais e centros de convivência.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte
Combate à pichação

A Guarda Municipal participa de ações para combater a pichação na capital mineira. As ações fazem parte do Movimento Respeito por BH, parceria entre a Prefeitura, Ministério Público Estadual e polícias Militar e Civil. Entre janeiro e março de 2010, já foram realizadas 91 intervenções.

Mais segurança

A presença da Guar­da Municipal trouxe de volta a tranquilidade em praças, parques e cemitérios. No Parque Municipal, por exemplo, o ambiente seguro fez com que as famílias voltassem a frequentar o local. Também foi criada umarede de ações para os desaparecidos no parque. Os cemitérios estão protegidos 24 horas pela Guarda Municipal. Outro local que ganhou mais segurança foi a Rodoviária, que recebeu ações de observação, memorização e descrição.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte

Avaliação da Segurança nos Próprios

O projeto criou uma equipe com o objetivo de vistoriar as unidades de serviço municipais e treinar servidores e formar brigadas de prevenção e segurança contra incêndio.

Objetivos

Além de estimular as condutas preventivas dentro das unidades da Prefeitura o projeto visa estimular a cultura preventiva de incêndios e de resposta eficiente, tanto no plano individual quanto coletivo, a acidentes e desastres e adequar os próprios municipais de modernos e eficientes equipamentos contra incêndios. A iniciativa também realiza estudos estratégicos da arquitetura dos próprios, tendo-se em vista a segurança dos mesmos, dos servidores e dos usuários face a sinistros.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte

Grupamento Ecolar 

Instalação na Guarda Municipal de um grupamento de defesa e proteção da comunidade escolar, particularmente alunos, docentes e servidores públicos municipais. É a Segurança Cidadã e Comunitária, através da cooperação e solidariedade entre a GMBH e as escolas municipais.

Objetivo

Contribuir para a queda dos indicadores de violência escolar e proporcionar maior legitimidade à Guarda Municipal. Outra meta é fortalecer a autoridade e a legitimidade da GMBH entre a comunidade em geral, e a comunidade escolar em particular, e estimular o protagonismo da GMBH no campo dos direitos da juventude, especialmente na defesa dos direitos da criança e do adolescente.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte

Canil da Guarda Municipal de Belo Horizonte

Projeto que busca uma maior efetividade das ações protetivas da GMBH, através da utilização de cães para atuação conjunta com os Guardas Municipais na proteção de servidores, usuários dos serviços públicos e bens da municipalidade. A utilização de cães abrange o farejamento de produtos e substâncias tóxicas, bombas e drogas em próprios municipais além da busca e resgate de pessoas vítimas de deslizamentos, de escombros e desastres naturais, entre outros.

Objetivo

Utilizar cães na proteção dos servidores, usuários e do patrimônio público municipal.


Banda de Música

Formada por trinta e nove músicos escolhidos entre os membros da corporação, sendo três cantores, iniciou suas atividades em fevereiro de 2007 com capacitação em aprendizagem musical e apresentou-se pela primeira vez nas comemorações do aniversário de Belo Horizonte, em 12 de dezembro do mesmo ano. Desde então a Banda da GMBH fez várias apresentações em Belo Horizonte e em comemorações em outros municípios propiciando aos guardas municipais a oportunidade de exercitar suas habilidades artísticas e valorizando a cultura musical. O repertório é composto por canções nacionais e internacionais visando atender um público variado. Somente em 2009, foram realizadas 66 apresentações em eventos variados em creches, hospitais, escolas e praças entre outros.

Objetivo

Fortalecer os laços de identidade, civismo e de sentimento comunitário junto à população belo-horizontina a partir das habilidades artísticas do efetivo da GMBH.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte

Grupamento de Prevenção da Violência Intrafamiliar

Projeto de instalação na Guarda Municipal de um grupamento de defesa e proteção dos direitos da mulher, particularmente, a mulher vítima de violência intrafamiliar.

Objetivo

Criar um grupamento de defesa da mulher vítima de violência intrafamiliar na Guarda Municipal e estimular ações de natureza interdisciplinar, integrada e solidária entre os órgãos municipais de defesa dos direitos da mulher. As ações visam contribuir para a queda dos indicadores de violência intrafamiliar.


Escotismo na Guarda Municipal de Belo Horizonte

O Projeto Escotismo na Guarda Municipal prevê a implantação de grupos escoteiros formados por crianças de 06 a 09 anos de idade, de ambos os sexos, residentes nos aglomerados e bairros periféricos de Belo Horizonte. O projeto determina a criação de um grupo em cada regional administrativa da Prefeitura de Belo Horizonte, com 48 crianças cada e conta com a participação voluntária de Guardas Municipais que são capacitados pela União Escoteiros do Brasil. As atividades acontecem sempre em parques municipais.

Objetivo

Cultivar a formação de valores éticos e cívicos, aumentarem a capacidade de convivência, disciplina e trabalho em grupo, desenvolver a liderança, complementar a educação, e estimular o desenvolvimento físico, mental, social, afetivo e familiar são alguns dos objetivos do Projeto Escotismo na Guarda Municipal. Além destes, a atividade desperta o caráter humanitário do agente de segurança municipal, através de solidariedade, amizade e voluntariado. O exercício de tais características permite uma influência positiva na atividade-fim da Guarda Municipal e complementa a formação das crianças envolvidas.

Extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte

Conteúdo extraído do Portal da Prefeitura de Belo Horizonte


Blog do GCM Bueno

As informações sobre os trabalhos realizados pela Guarda Municipal de Belo Horizonte também é divulgado pelo Blog do GCM Bueno, que teve início das atividades em maio de 2010, se tornando uma das principais ferramentas de divulgação das atividades das Guardas Municipais do País.



Sindicato dos Guardas Municipais de Belo Horizonte - SINDGUARDAS-MG
 
Os integrantes da Guarda Civil Municipal de Belo Horizonte são representados pelo Sindicato dos Guardas Municipais de Belo Horizonte – SINDGUARDAS-MG, que tem ação atuante na defesa dos interesses da categoria e no desenvolvimento da Corporação.
 
 

 
Associação dos Guardas Municipais da Região Metropolitana de Belo Horizonte - ASGUM/RMBH
 
O efetivo tem como alternativa na defesa dos seus interesses a Associação dos Guardas Municipais de Região Metropolitana de Belo Horizonte - ASGUM/RMBH, que foi fundada em 10/03/2006, divulgando informações através do Blog ASGUM/RMBH, que teve início de suas atividades em novembro de 2010.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O “ESTUPRADO”

Autor: Archimedes Marques
Delegado de Policia
Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe
email:
archimedes-marques@bol.com.br
Da periferia das cidades nasce quase sempre, além dos fatos criminosos diversos e das intrigas habituais constantes, as histórias pitorescas e hilárias mais estranhas possíveis e assim as Delegacias dessas localidades vivem incessante problema com grande monta de Inquéritos Policiais, Termos de Ocorrências Circunstanciados, além de um número imenso de audiências realizadas nas tentativas de compor as intermináveis contendas a fim de evitar que os casos sigam para a Justiça já tão abarrotada de Processos.

Em boa parte dessa população, o cidadão considerado pobre, além de pobre financeiramente é pobre também de espírito e não releva nada do seu semelhante ou tampouco procura saber da verdade ou razão dos fatos geradores das intrigas para resolução em conversa com a parte adversa, como pessoas civilizadas. De tudo procura a Delegacia, sempre pensa estar com a razão e quer solução imediata, por vezes relacionada a problemas esdrúxulos e sem sentido algum, como é o presente caso em que um cidadão chegou aflito querendo providencia da Polícia em uma das unidades que trabalhei:
- Doutor, eu amanheci vestido com essa calcinha e com a regueira da bunda toda “melada” de gala e quero as providencias da Polícia porque fui estuprado ontem à noite por três fuleiros que eram meus amigos... Quero que aqueles fios do cabrunco e do estopô balaio da peste sejam presos...
Observando de relance (sem encostar perto) a calcinha que o cidadão mostrava e até cheirava dizendo ter cheiro de gala e que trazia consigo como prova material do pretenso crime, aparentemente estava com resquícios de uma substancia meio grudenta, gosmenta, parecendo realmente ser esperma. Entretanto, pela compleição física da suposta vítima não dava margem de quaisquer suspeitas para a prática do crime de estupro, vez que o cidadão apesar de ter 55 anos de idade demonstrava ter uns 67, além de ser maltrapilho, imundo, fedorento, desdentado, zarolho, esquelético, mas de barriga inchada cheia de vermes, zambeta, bunda seca, barbudo e cabeludo parecendo ter vastas criações de piolhos de toda espécie e qualidade possíveis, um estrupício chupando limão, uma verdadeira bagaceira em final de feira, um arremedo de defunto em decomposição que tinha se esquecido de se enterrar. Então confabulei para não rir da excêntrica situação:
- Quer dizer que o senhor amanheceu vestido com essa bonita calcinha de rendas vermelha e supostamente com a bunda cheia de uma substancia parecida com esperma, por isso acha que foi estuprado pelos seus amigos?... Conte-me esse fato direito para ver se eu entendo como é que foi esse crime.
- Eu e mais três amigos invadimos um terreno lá no Goré, na beira do rio  e construímos um cercado no mangue seco onde guardamos o que de melhor achamos pelas ruas e nas lixeiras, como latinhas de cervejas, metais, garrafas de plástico, papelão e tudo mais que se aproveita na reciclagem, e quando já tem uma boa quantidade a gente vende, divide o dinheiro e compra os mantimentos para o nosso viver...
- Então vocês fizeram uma espécie de cooperativa, não é verdade?... Mas vamos ao que interessa... Ao estupro.
- Cada um de nós tem um barraco separado e moramos vizinhos ali mesmo na invasão onde juntamos o material. Dois deles tem mulher e uma ruma de filhos, eu e o outro não...  Quando a gente vende o estoque sempre há comemoração e ontem foi esse dia... A gente comprou duas garrafas de cachaça pra se divertir, daí não sei mais o que aconteceu porque fiquei bêbado e dormi. Quando me acordei estava nessa situação... De calcinha e todo melado de gala... Fiz a maior arruaça lá, mas aí eles ficaram mangando da minha cara dizendo que tinham arrancado meu cabaço... Como não quero matar ninguém estou aqui pedindo ajuda da policia... Ainda nem me lavei e estou com a bunda toda grudada e melada de gala... Se o senhor quiser pode mandar fazer exame...
- Vamos fazer o seguinte cidadão: Primeiro eu quero ouvir também esses seus amigos antes de tomar qualquer posição... Eles estão lá agora ou estão pelas ruas catando lixo?...
- Com toda certeza que eles estão lá, doutor, porque todas as vezes que a gente ganha algum dinheiro passa dois dias sem trabalhar, só bebendo...
Mandei duas viaturas ao local. Os policiais trouxeram além dos três acusados, as duas mulheres que fizeram questão de acompanhá-los como testemunhas e no meu gabinete um deles explicou o pretenso estupro do cidadão:
- Foi só uma brincadeira, doutor... Como ele não aguentou a cachaça e apagou de vez, então tiramos a roupa dele, colocamos a clara de três ovos na regueira da bunda dele e vestimos essa calcinha vermelha nele que foi da minha mulher... Era tudo pra ele pensar que realmente a gente tinha comido o rabo dele... O senhor nos desculpe doutor...
E então desabafou a suposta vítima:
- Eu não gosto desse tipo de brincadeira, por isso vou embora e quero a minha parte do barraco e das coisas que vão ficar com eles...
Daí uma das mulheres interferiu:
- Deixa de besteira rapaz!... A idéia da brincadeira foi minha... A gente gosta de você... Além do mais você não tem pra onde ir... Você é que nem um urubu no mundo, sem casa, sem ninguém, sem nada, só tem a gente... Prefere morar debaixo de uma ponte só por causa de uma besteira dessa?... Vamos voltar pra lá e “rebater a bucha”... Botei o arroz e o feijão no fogo e até tira-gosto já aprontei... Vamos deixar o doutor trabalhar em paz que ele tem mais o que fazer.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Eleições

Cursando Sociologia e Política na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP-SP)

Já é fato e notório que durante as eleições um imenso aparato financeiro deve ser movimentado por aqueles que almejam conquistar uma vaga eletiva. Isso ocorre em todas as esferas do poder nacional, seja lá na cidadezinha do interior ou no Distrito Federal, as arte-manhas que os candidatos utilizam são sempre as mesmas com o intuito de serem bem quistos por seus possíveis eleitores, que durante o período eleitoral gozam de um prestigio com data de validade marcada para vencer após teclarem os números do escolhido, mesmo este eleitor sendo fiel a sua promessa seu poder de barganha acabará ao término da votação.

A bem da verdade, não necessariamente é preciso fazer uso de dinheiro para conquistar votos, muitos vendem seu poder de escolha em troca de algum favor recebido, que na maioria das vezes quem os realizou o fez com verbas ou equipamentos públicos, ou seja, adquiriu prestigio beneficiando-se de um bem ou direito que é de todos gratuitamente.

Entende-se neste caso que o prestigio não é só de quem detém o direito de votar, mas também o possui quem tem as possibilidades de atender a diversos pedidos, sendo o prestigio algo que não beneficia apenas o individuo que o conquistou, mas pode ser estendido ao grupo que orbita em seu entorno.

Devemos atentar ainda para esse individuo que vende ou troca o voto por algo, pois o faz não só pelo bem ou favor recebido, age dessa maneira, em alguns casos, por nutrir laços de amizade e fidelidade com o candidato, na maioria das vezes profundamente enraizados.

Desta forma é possível observar que na cultura instalada em nossa política a prática da troca de votos é corriqueira e ao nos debruçarmos sobre esse assunto temos a sensação de que não apenas no sertão, no interior ou na capital, mas em todo país a barganha eleitoral é um vício antigo e que após as eleições o prestigio do cidadão-eleitor acaba e tudo volta ao normal até o próximo pleito. Fato este “compra de votos” que nos furta a real intenção de escolhermos nossos representantes, que é o direito e dever de votarmos em alguém e depois cobrarmos que este eleito se torne um honesto e fervoroso defensor da sociedade como um todo.

Temos também a possibilidade de votar em alguém que irá representar uma determinada categoria profissional ou levante uma bandeira em prol de alguma causa ou ainda podemos votar a favor de um projeto político que nos pareça interessante etc.

Nesse sentido eu pergunto:

Onde estão nossos candidatos para 2012?

Quem são eles?

Quais são seus projetos para o Azul?

Quem dará voz aos anseios dos “Municipais” a partir de 2013?

Proponho ao blogueiro de plantão que abra um espaço nesta excelente ferramenta de comunicação para que esses pretendentes se apresentem e nos conquistem, pois já passou da hora de colocarmos um companheiro na Câmara Municipal e aqui é o lugar do nosso primeiro encontro, manifestem-se!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

A Guarda Municipal de Belo Horizonte e a Prisão em Flagrante na Via Pública

Bacharel em Direito.
1º Tenente QOR da Polícia Militar de Minas Gerais – Especializado em Comando de Ações Táticas e Operações Especiais
Gerente de Suporte Regional da Guarda Municipal de Belo Horizonte – 2007/ 2009.


A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 garante aos municípios a criação de Guardas Municipais com a missão de proteger, com poder de polícia, os bens, serviços e instalações do município. Ocorre que para o desenvolvimento das atividades operacionais, a Guarda Municipal de Belo Horizonte realiza deslocamentos de um estabelecimento a outro, por meio de viaturas caracterizadas, compostas de equipes de guardas fardados, por vias públicas do centro, como também em locais da periferia da cidade e aglomerados. O considerável índice de ocorrências de crimes diversos, que acontecem na cidade de Belo Horizonte faz com que guarnições motorizadas GM, quando em deslocamento para as atividades específicas de segurança de bens, serviços e instalações, deparem com situações de real flagrante de crime, com intenso clamor das vítimas, pedidos de socorro.

Esta situação fática leva os GM a procederem atitudes repressivas, mesmo contra vontade própria e correndo riscos, em plena desvantagem, haja vista que a GMBH, ainda não utiliza arma de fogo. Não raro, as equipes GM têm capturado, em flagrante, autores de crimes, apreendendo armas e produtos destes, repassando-os à PM, que é a instituição incumbida de fazer a condução à autoridade de polícia, para a ratificação do flagrante. A carta maior estabelece em seu artigo 144, parágrafo quinto, que:

“Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública” e o Decreto lei 667/69, no seu art. 3º, estabelece que incumbe à Polícia Militar atuar preventiva e repressivamente em caso de ruptura da ordem pública, nas vias públicas e demais locais de sua competência.

No entanto, este trabalho visa elucidar a legalidade ou não da atuação do servidor GM, em deslocamento de um prédio público municipal a outro, que depara com o flagrante de crime, em via pública, e atua repressivamente, prendendo infrator, apreendendo produto de roubo. Teleologicamente, busca-se o desiderato de que, se nesta situação fática, o GM estará cometendo crime de Usurpação de Função Pública, ou caso, mesmo diante do clamor do cidadão, por socorro, o servidor deixe de atuar e se omita, poderá estar cometendo crime omissivo. O ponto crucial a ser focado é se o agente municipal atuar positivamente, estará agindo como qualquer pessoa do povo e ademais a lei prevê a prisão de qualquer um encontrado em flagrante delito, assegurado pelo Código Processo Penal que diz no caput do seu art. 301 “Qualquer do povo poderá prender quem quer que esteja em flagrante delito”.

Neste diapasão, o trabalho objetiva aduzir, se o GM estará legalmente amparado pela lei e pela opinião da sociedade, na ação de captura e detenção do infrator, haja vista que estará atuando pelo poder de polícia judiciária de caráter repressivo, na via pública.

Outrossim, este trabalho anseia pelos respaldos legais aos questionamentos: o guarda municipal mesmo fardado, ostensivamente identificado, na via pública, detém o poder de polícia e sua ação repressiva estará amparada pela lei, podendo a atuação ser manifestamente legal.

Os conceitos e fundamentos da instituição da Guarda Municipal de Belo Horizonte e sua missão constitucional, levando em consideração o amparo legal da atuação repressiva do GM, frente a eventuais flagrantes de crimes fora de sua área de competência jurisdicional, aduzindo a possível perpetração do crime de Usurpação de Função Pública na atuação repressiva da Guarda Municipal, frente a eventuais flagrantes de crimes, fora de sua área de competência constitucional.

Este trabalho também tem por escopo fundamental pesquisar sobre a possibilidade da perpetração de crime de omissão do Guarda Municipal, que se mantém inerte diante do clamor social, em face de crimes ocorridos nas vias públicas do município, buscando os entendimentos dos tribunais, sobre recursos de prisões em flagrante delito realizadas por GM, na via pública.
Extraído da Monografia "A Guarda Municipal de Belo Horizonte e a Prisão em Flagrante na Via Pública".

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O Fim de outra Odisséia

Classe Distinta da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo
Bacharel em Direito pela Universidade São Francisco


Em maio de 2010, escrevia o artigo “O Fim da Odisséia”, que marcava o término do curso de aperfeiçoamento profissional de Classe Distinta da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo, o título era uma alusão as aventuras de Homero, ante inúmeras dificuldades que foram superadas ao longo do caminho.

A história mais uma vez se repete, pouco se muda com o passar dos anos, deixando a sensação de que não aprendemos com as experiências do passado.

Foram 19 anos de espera para ter êxito em galgar um degrau na carreira, que exigiu empenho pessoal marcado por muita luta, suor, dedicação e perseverança, provando que a meritocracia enaltece essa conquista, não devendo nada a ninguém.


O tratamento Corporativo foi conservador remetendo aos idos de 1992, quando as barreiras impostas eram superadas pela volúpia da jovialidade, porém desta vez o corpo e a mente carregavam as marcas inglórias do exercício de quase duas décadas na promoção de segurança aos munícipes da Paulicéia ensandecida pela violência que atinge a todos, mas continuamos “aliados, protetores e amigos desse povo e dessa multidão”, foi o que os moveu em busca do cumprimento da missão, a experiência superou as limitações físicas e resgatou a energia de continuar em frente, desistir jamais.


O cerimonial matinal na Academia deixará saudades, pois era o momento de assimilarmos a realidade institucional com a troca das diversas experiências profissionais e principalmente de vida, o pátio contemplava o efetivo que não mediu esforços para ascender na carreira e tentar construir uma perspectiva de melhoria aos companheiros de outrora, sob a responsabilidade de liderá-los através do exemplo, propagando que nada está perdido, mas que tudo ocorre ao seu tempo.

Não foi fácil ver alguns companheiros não poderem prosseguir na luta, seja pela incompreensão da Deusa Têmis, guardiã do juramento dos homens, ou por não superarem os Doze Trabalhos de Hércules, impostos pela vontade de Zeus, influenciado por seus asseclas do Olimpo.
CD Carlos
(Antônio Carlos dos Santos)

A solenidade derradeira marca a conquista de poder ostentar com orgulho não só as divisas, mas a heráldica emblemática “mais que líder”, pois sempre serão.

CD Bastos
 (José Carlos da Silveira Bastos)
Extraído do Portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo

A grande maioria retornará a novas casas que marcará o início de uma nova etapa não só de suas vidas, mas também da Corporação e principalmente de seus subordinados que depositarão confiança na busca pelo direcionamento ao caminho da sabedoria e justiça.



Este artigo é uma singela homenagem aos 163 profissionais que constroem a história dessa Corporação, que se transforma constantemente, mas em especial à memória do Classe Distinta Brito (João Batista de Brito), que não teve a oportunidade de presenciar o “O Final de Outra Odisséia”, mas que estará num plano maior iluminando nossos caminhos.
CD Brito
Extraído da Comunidade da Guarda Civil Metropolitana no Orkut