Seguidores

domingo, 31 de outubro de 2010

Adeus ao Amigo Salles

Autor: Wagner Pereira

No início de 2006 estava em mais uma jornada dupla, quando tive a oportunidade de conhecer Márcio Augusto de Salles, além da escolha profissional e o direito, compartilhávamos várias idéias não só sobre a segurança pública, mas também sobre família, música, lazer, ou simplesmente do futuro.

Passávamos horas divagando sobre “causos” de um passado que nos orgulhava, quando podíamos reluzir nosso uniforme a todos os cantos da Cidade, promovendo segurança nessa paulicéia marcada pela violência.

Devaneávamos sobre o futuro, acreditando que em breve demonstraríamos a força azul marinho com nossa união, como na obra de Alexandre Dumas: “Um por todos e todos por um.”

Quis o destino que nossa empreitada fosse curta, mas iniciamos uma amizade pautada pela lealdade e respeito, nós atravessamos momentos difíceis em nossa carreira, muitos tentaram nos prejudicar, pois nossa seriedade incomoda, mas não desistimos e superamos as barreiras que nos eram impostas.

Neste mesmo outubro, só que do ano passado, nos encontramos no Congresso da Nova Central Sindical dos Trabalhadores, realizado em São Paulo, quando tive a oportunidade de prestigiar sua eleição com um dos dirigentes da entidade, mas uma vez lutava solitário pela inserção das Guardas Municipais com órgão efetivo de segurança pública. Conversamos bastante e chegamos ao consenso de que precisávamos de um canal virtual de informação sobre segurança pública, era o embrião do Blog “Os Municipais”.

Em janeiro deste ano, quando do início de “Os Municipais”, você foi um dos primeiros a contribuir com esse espaço, nos abrilhantando com seus artigos voltados a nação azul marinho.

Preparávamos-nos para o 1º Encontro de Guardas Civis Municipais do Estado de São Paulo, para o próximo dia 06 de novembro, evento que você tanto lutou para que se concretizasse, mas o destino nos reservava algo diferente...

Na tarde da última sexta-feira, sua companheira Roseli nos informou que você não estava bem, sofrera uma intervenção cirúrgica que o deixara em estado delicado, em minhas preces pedia que se recuperasse logo, pois tinha certeza que o faria e que em breve estaríamos juntos em nossa luta pela causa azul marinho.


Neste domingo temos a notícia de seu falecimento, ao escrever este artigo as lágrimas vêm ao meu rosto, as palavras no teclado desaparecem, meus filhos perguntam o que está acontecendo, respondo que o mundo perdeu um grande homem e eu um amigo especial......

Querido Amigo Salles deixará saudades, mas tenho certeza que és um ser iluminado e estará num plano maior sempre protegido por Deus.

sábado, 30 de outubro de 2010

Uni, Duni, Tê

Autor: Sérgio Luiz Pereira de Souza


É de se indignar.

Quando pensamos que já vimos de tudo na campanha política desse ano, tais como candidatos de toda espécie, nivelando por baixo a campanha, eis que a cada dia surge uma nova situação para nos surpreender.

Mas, o que mais é admirável é a falta de criatividade dos candidatos a ocupar o posto mor de nossa nação.

Não me lembro de ver campanha mais baixa do que a atual.

Parece não se preocuparem em expor, cada um, suas baixarias, agressões, verbais e agora até física de parte de correligionários de um partido ou do outro.

Esqueceram de divulgar, mesmo que não cumpram, seus planos de governo e a troca de farpas tomam espaço, além do horário político, também dos meios de comunicação que alimentam cada vez mais a “ira” dos adversários, com seus comentários “especializados”, tendenciosos ou não.

Cabe a nós a escolha, mas a quem conceder o bem precioso que nos é de direito e que foi, em um passado não tão distante, conquistado também pela luta de ambos os candidatos, o voto?

Do jeito que está fica difícil acreditar que um ou outro candidato, se eleito, cumprirá com o mínimo de seus deveres e promessas. Mas por falta de melhor opção teremos que escolher um e que Deus nos dê discernimento para não levarmos na brincadeira e não fazer a escolha no “Uni, duni, tê”, certa brincadeira de criança onde a sorte ou a posição da primeira batida na mão determinava se “o escolhido foi você”.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

BALANÇO: ELEIÇÕES 2010 NAS GUARDAS MUNICIPAIS

Autor: Elvis de Jesus
Inspetor da Guarda Municipal de São José dos Campos SP
site: http://www.inspetorelvis.com.br/
email: gcmelvis@hotmail.com

Não consigo entender muito da nossa classe num momento critico que vivemos em que a luta guarda municipal necessita de reforços legítimos que venham defender o direito da classe e mudar essa situação que vivemos e de repente “Tudo” isso não existe, seria a cultura brasileira?

Não importa se for!

Mas, torna-se crítico quando se trata de guardas municipais, e, mais ainda, discriminado por boa parte dos direitos constitucionais e políticos comuns aos demais brasileiros.

Em toda historia que nos diz respeito a falta de politização por parte dos Guardas Municipais, não posso afirmar que tenha sido a mobilização criada pelo Guerreiro Naval em torno da PEC 534, que visa o poder de policia para as Guardas Municipais, mesmo já tendo tal poder, porque a maioria dos milhares de Guardas Municipais de todo Estado de São Paulo não acreditam em sua força, pois com a votação que tiveram o GM Carlinhos e o GM Naval não vejo que esses muitos GM's realmente tenham seriedade e desejo de mudar essa situação caótica que se vive na classe Guarda Municipal em todo Brasil.

Lamentavelmente, os dois candidatos a deputados guardas municipais responsáveis por uma mudança dentro das assembléias legislativas não tiveram no meu ponto de vista uma votação significativa referente a toda essa situação que vivemos.

O Naval e o Carlinhos juntos conseguiram mais de 18.000 votos, sendo cada um pertencente a corporação guarda municipal de São Paulo.

É LAMENTAVELLLLLLLLLLLLLL

QUEM PODERÁ NOS DEFENDER? SE NOS MESMO NOS AGREDIMOS!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Romeu Tuma - Nosso Eterno Xerife

Autor: Wagner Pereira

Na da tarde da última terça-feira perdemos um dos maiores defensores dos profissionais de segurança, nosso Xerife partiu...

Defender no Senado propostas como piso nacional e aposentadoria para os agentes de segurança pública não era tarefa fácil, imagine defender a regulamentação do poder de polícia às Guardas Municipais, uma missão impossível, mas sua persistência superava qualquer barreira, com sua serenidade, nosso sábio Xerife alertava incansavelmente sobre a importância na reformulação do sistema atual de segurança pública.

Lutou com sucesso para a criação do dia da Guarda Municipal, que coincidentemente foi instituído para 10 de outubro, mês em que nos deixa...

Em sua despedida renovou o carinho sempre demonstrado publicamente à Guarda Civil Metropolitana da Cidade de São Paulo ao solicitar que a Bandeira da Corporação estivesse presente em seu momento final.
Foto: Levi Bianco/Futura Press - Extraído do Portal Terra

Romeu Tuma, nosso eterno Xerife, não cativava só a mim, mas também ao meu filho Wagner, de 11 anos, que deixa em sua homenagem a ilustração abaixo.


quarta-feira, 27 de outubro de 2010

CORONELISMO NO PODER

Autor: CD NAVAL (Maurício Domingues da Silva) 


Quanto mais estudo e mais ando pelo Brasil, noto o seguinte, o segmento da segurança pública é o mais desprezado pelos administradores políticos nas questões de investimento e atenção em geral, até mesmo pela sociedade e o que justifica isso?

É que a cultura desenvolvida em toda a história humana em relação a segurança pública, esta, sempre foi debatida sob 4 paredes, hoje, este curso mudou, as Guardas Municipais promovem eventos abertos a todos, principalmente para a sociedade, esta sim, deve tomar as decisões.

O que vejo na matéria "Coronéis dominam Subprefeituras", publicada no Portal do Jornal da Tarde, é o início da queda que vai desestruturar mais um segmento da sociedade, assim fizeram na área da segurança pública do estado, tamanho foi a incompetência que, nasceram as Guardas Municipais, futura Policia Municipal do Brasil, o que é uma questão de tempo para se consolidarem, esta estratégia adotada pelo DEM e pelo PSDB é uma receita de como retroagir ao passado, Coronelismo não dá certo!

É notório que se uma pessoa vive 30 anos em um regime em que só ele pensa, só ele conhece, só ele decide, o que pode-se esperar?

Reflita!

Extraído do Portal Guardas Municipais

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Jornada Dupla

Autor: Wagner Pereira

No frio da madrugada de sábado, numa interminável jornada dupla de trabalho, pensava como o tempo havia passado, a disposição jovial dava lugar para o cansaço da experiência.

Teve uma oportunidade rara, pôde jantar com sua esposa e filhos, mas logo teve que iniciar sua jornada, contrariado, pois desejava permanecer em seu lar, junto com sua família.

No Bravo, reencontrou sua equipe, muita coisa comum, os nomes de guerra, cansaço, preocupação, finanças arrebentadas por empréstimos ilusórios junto às instituições financeiras, porém, tendo a única missão: voltar vivo para casa.

O Z demora a chegar, mas é fundamental para repor as energias serão mais 12 horas defendendo a municipalidade reluzindo a paz através do azul marinho.

As horas são intermináveis, a luta contra morfeu é constante, a cafeína impulsiona a conversa com o estômago vazio, a sensação não é agradável, mas deve se manter acordado.

Metade da jornada se aproxima do fim, porém, nem sinal da rendição, contrariando Jagger “o tempo não está do meu lado”.

A ansiedade, vira angústia, contudo antes tarde do que nunca, fim do primeiro tempo.

Ao seguir seu destino, vem uma a garoa fina da paulicéia de pedra, o tempo voa...

A garoa engrossa, virou temporal, lá se foi o trânsito...

Banho tomado, barba feita, sapato engraxado, uniforme passado, a transformação ocorre, surge o impecável garbo azul marinho, mantendo a base institucional da hierarquia e disciplina.

As horas continuam intermináveis, sono, cansaço e fome ousam incomodar, mas a superação prevalece, o que era para ser acaso é rotina, são moradores de rua, menores ao abandono, ambulantes, entulhos, trânsito, além, de preenche planilha, faz relatório, encerra talão...

O crepúsculo surge, juntamente com o fim da jornada, missão cumprida, voltou para casa vivo.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Mundo Desigual – Por Planeta Voluntários

"O maior assassino do mundo e a maior causa de doenças e sofrimento ao redor do golfo é… a extrema pobreza."
Desigualdade Social
21 países retrocederam em seu Índice de Desenvolvimento Humano, contra apenas 4 na década anterior. Em 54 países a renda per capita é mais baixa do que em 1990. Em 34 países a expectativa de vida ao nascer diminuiu, em 21 há mais gente passando fome e em 14 há mais crianças morrendo antes dos cinco anos;
No Brasil, 10% brasileiros mais pobres recebem 0,9% da renda do país, enquanto os 10% mais ricos ficam com 47,2%. Segundo a Unicef, 6 milhões de crianças (10% do total) estão em condições de “severa degradação das condições humanas básicas, incluindo alimentação, água limpa, condições sanitárias, saúde, habitação, educação e informação”.
A pesquisa ainda mostra que 15% das crianças brasileiras vivem sem condições sanitárias básicas. As áreas rurais do Brasil concentram a maioria das crianças carentes, com 27,5% delas vivendo em “absoluta pobreza”.
Com 53,9 milhões de pobres, o equivalente a 31,7% da população, o Brasil aparece em penúltimo lugar em termos de distribuição de renda numa lista de 130 países. É o que mostra estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, divulga hoje em Brasília.
Das 55 milhões de crianças de 10 a 15 anos no Brasil, 40% estão desnutridas. 1,5 milhão entre 7 e 14 anos está fora da escola. A cada ano, 2,8 milhões de crianças abandonam o ensino fundamental. Das que concluem a 4ª série, 52% não sabem ler nem escrever.
Mais de 27 milhões de crianças vivem abaixo da linha da pobreza no Brasil, e fazem parte de famílias que têm renda mensal de até meio salário mínimo. Aproximadamente 33,5% de brasileiros vivem nessas condições econômicas no país, e destes, 45% são crianças que têm três vezes mais possibilidade de morrer antes dos cinco anos.
A cada 12 minutos, uma pessoa é assassinada no Brasil. Por ano, são registrados 45 mil homicídios no País. No entanto, a probabilidade de um assassino ser condenado e cumprir pena até o fim no Brasil é de apenas 1%.
O Brasil é, segundo a ONU, o país onde mais se mata com armas de fogo. Todos os anos são mortos 40 mil brasileiros;

1,9% do PIB brasileiro é consumido no tratamento de vítimas da violência;
Mais de 1,1 bilhão de pessoas não têm acesso à água potável no planeta, segundo dados da ONU. Outros 2.4 bilhões não têm saneamento básico. A combinação do dois índices é apontada com a causa de pelo menos 3 milhões de mortes todo ano. Um europeu consome em média entre 300 e 400 litros diariamente, um americano mais de 600 litros, enquanto um africano tem acesso a 20 ou 30 litros diários.
Um em cada seis habitantes da Terra não tem água potável para beber e dois em cada cinco não dispõem de acesso a saneamento básico.
A fome no mundo, depois de recuar na primeira metade dos anos 90, voltou a crescer e já atinge cerca de 850 milhões de pessoas. A cada ano, entram nesse grupo mais 5 milhões de famintos.
A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 160 mil pessoas estão morrendo por causa do aquecimento global, número que poderia dobrar até 2020 - contabilizando-se catástrofes naturais e doenças relacionadas a elas.
Além da morte, a desnutrição crônica também provoca a diminuição da visão, a apatia, a atrofia do crescimento e aumenta consideravelmente a susceptibilidade às doenças. As pessoas que sofrem de desnutrição grave ficam incapacitadas de funções até mesmo a um nível mais básico.
Muitas vezes, são necessários apenas alguns recursos simples para que os povos empobrecidos tenham capacidade de produzir alimentos de modo a se tornarem auto-suficientes. Estes recursos incluem sementes de boa qualidade, ferramentas adequadas e o acesso a água. Pequenas melhorias nas técnicas de cultivo e nos métodos de armazenamento de alimentos também são úteis..[Oxfam]

Muitos peritos nas questões da fome acreditam que, fundamentalmente, a melhor maneira de reduzir a fome é através da educação. As pessoas instruídas têm uma maior capacidade para sair deste ciclo de pobreza que provoca a fome.
Fontes: Documentos internacionais, principalmente da ONU, UNICEF, OMS, FAO e UNAIDS.

Por Marcio Demari
PLANETA VOLUNTÁRIOS
Porque ajudar faz bem !
Link - http://www.planetavoluntarios.com.br/
email - contato@planetavoluntarios.com.br


A maior Rede Social de Voluntários e ONGs do Brasil !!!

domingo, 24 de outubro de 2010

A soma das partes nem sempre representa o todo

Autor: Marcos Luiz Gonçalves
Classe Distinta da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo
Diretor da Associação Brasileira dos Guardas Municipais - ABRAGUARDAS
Pós-Graduado em Direito Ambiental

Estava em sala de aula, escutando um digno mestre a declarar sua afeição a todos que ali se encontravam e ensinando-nos sobre a força de um grupo, devo salientar que desde o início do curso não havia nenhuma matéria ou professor eu houvesse despertado em mim o interesse em querer aprofundar meus estudos conforme suas convicções.

Em determinado momento ele mostrou que um grupo de pessoas não pode ser regido ou composto por pensamentos ou interesses individuais e, mesmo havendo discórdia, em nenhum momento é admissível ofensa a um integrante, sem que o grupo, como um todo, sinta-se ofendido. Em suas palavras, “...se assim fosse, eles teriam o direito de ofender os demais e, se não houver contestação, estarão vocês legitimando tal afirmação...”, assim me apropriei deste conceito e, de forma comparativa, procurei aplicar em minhas rotinas, social, profissional e familiar.

Enquanto família, nunca poderei admitir uma ofensa a ela, pois, mesmo não sendo esta ofensa, dirigida, de forma direta, a mim ou a minha família, com certeza, seremos os próximos a ser ofendido. Assim o conceito aplicou-se á minha família, mera comparação, pois é sabido que a família é a célula mater social, mas sofremos uma intervenção familiar inserida por nossos governantes, que nem sempre nos agrada, porém com nossa conivência, esta é a apresentação da passividade, pois deparamos com a de isenção de responsabilidade estatal e a transferência, desta mesma responsabilidade, às famílias. Ora, se somos da sociedade e vemos, constantemente, a intervenções no seio de nossa família, como nos aquietamos e aguardamos, de forma passiva, que resolvam nossos problemas, sem ao menos nos interessarmos ou participarmos nas soluções, simplesmente nos eximimos e se o fato ofensivo ocorre, de forma passiva, aceitamos e exclamamos: Ainda bem que não foi comigo! Coitado! Você viu o que aconteceu?

Esta nossa atitude deve ser analisada e nossos valores revistos, pois de forma analítica, fato real, esquecemos de nossos valores, parte moral, assim desviamos nossa atenção e continuamos em nossas rotinas, vivendo como o dia anterior, desta forma temos o presente baseado no passado com receio de mudanças futuras, as quais deverão influenciar em nossas rotinas e, simplesmente, esta é a forma mesquinha de viver.

Vivemos no passado e desprezamos o presente, sentimento saudosista, pois, quando nos apercebemos que o fato passado influencia nosso presente, estamos no futuro, que se apresentou como incerto e com despreocupação, ou seja, vivemos o presente com a certeza de que não haverá mudança futura, sem alterações em nossas rotinas, assim, de forma cíclica, passa-se o tempo. Sendo o tempo o medidor de nossa vida, vivemos de forma individual, desprezando nosso grupo, esquecendo ou nos afastando de nossos valores morais, os quais fortalecem a base de qualquer grupo.

Vivenciamos diariamente agressões às famílias, exemplifico, a violência doméstica, contra o idoso, contra a criança e adolescente, ainda diversos crimes que nos acometem, homicídio, roubo, entre outros que podem ser citados, mas, não sendo este meu intuito, friso a violência no trânsito, sendo que nossa família, de forma exposta, sofre com a perda de seus entes, porém, novamente cito, de forma passiva, aguarda por soluções.

Apliquei este conceito em minha vida profissional e funcional e qual não foi minha surpresa ao perceber que não havia diferença na aplicação do conceito passado pelo digno mestre, pois temos um grupo e grupos não se diferenciam, indiferente de ser familiar ou profissional. Percebi que o valor do grupo esta na dedicação do indivíduo para estabilização e projeção de todos enquanto grupo, neste pensamento, inexiste um grupo valoroso sem que haja integrantes valorosos, assim, se o grupo não demonstra força é porque seus integrantes são fracos ou desorganizados.

Este conceito de grupo deve ser aplicado de forma ampla, não especificamente ao seu grupo, mas a todos os grupos que compartilham os mesmos interesses, lembrando que havendo uma agressão ou ofensa a qualquer do grupo, com certeza, você será o próximo, e se houver ofensa a qualquer grupo que compartilhem os mesmos interesses, novamente, com certeza, seu grupo será o próximo. Este conceito é o de organização, pois, somente com nossa organização, será possível erguer uma linha de defesa, a qual será fundamental à nossa proteção, enquanto indivíduo e grupo.

Conforme o exposto, deixo clara minha intenção de despertar o interesse de todos para tudo aquilo que influencia em sua rotina diária e que não esperem por solução que os agradem, pois a participação de todos é essencial às conquistas que poderão advir de um agrupamento de idéias e ideais, os quais, simplesmente, representam força.

sábado, 23 de outubro de 2010

GCM 2ª Classe - Ação para participar Concurso de Acesso Classe Distinta

BOLETIM ESPECIAL INFORMATIVO.


2ª CLASSES BUSQUEM UMA SAÍDA PARA O ACESSO!!!!!!!

A ABRAGUARDAS ATRAVÉS DE SEU DEP. JURÍDICO ELABOROU PEÇA DE MANDADO DE SEGURANÇA CONTRA ATO OMISSIVO DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA URBANA, COM O OBJETIVO DE BUSCAR A PARTICIPAÇÃO DOS 2ª CLASSES NO CONCURSO DE CD.

O Dep. Jurídico MEDIANTE PEDIDOS DE ALGUNS ASSOCIADOS 2º CLASSES, elaborou MS (mandado de segurança) com o objetivo de conseguir judicialmente a participação dos GCM’s 2ª CLASSE, no concurso de acesso já autorizado e que está em fase de estudos de seu edital por parte da SMSU.

Esta medida é uma “tentativa” de garantir, a participação dos Guardas de 2ª Classe no concurso de acesso a CD, que oferta 310 vagas. Baseia-se na ofensa, ao princípio constitucional da legalidade, pela demora da PMSP em não ter realizado o primeiro concurso de acesso ao cargo de 1ª Classe.

O pedido trata primeiramente da participação no concurso via liminar, e no mérito da questão pedimos, primeiramente o enquadramento no cargo de CD, caso negado pelo juiz, pedimos então o enquadramento para o cargo de 1ª Classe, isso para os que passarem no concurso.

Para participar o GCM 2º Classe, com 01 (um) ano efetivo exercício no cargo, tem que estar em condições de prestar o concurso, não tendo mais de 05 FI’s nos últimos 12 meses ou 10 FI’s nos últimos 24 meses. Estar no comportamento bom ou excelente e ter a convicção de que estará preparado para concorrer e com chances de passar no concurso.

Não indicamos a participação nesta ação do GCM que tenha uma dessas restrições ou que não possua interesse, falta de tempo ou qualquer outro motivo que o leve a não se preparar para o concurso.Para participar basta entrar em contato pelo tel.3223-0490, ou comparecer a nossa sede Lgo. Paisandú, 51 6º andar sala 615, através de agendamento prévio.

OBSERVAÇÃO: caso não tenha tempo solicite uma visita agendada de um dos nossos representantes em sua base ou posto de serviço.

Documentação necessária: 4 cópias simples da funcional, 4 cópias simples do holerite mais recente, 4 cópias simples do RG, assinar a procuração e a declaração de pobreza, bem como o pagamento de taxa operacional especial de 20 reais no ato da assinatura da procuração e da filiação e entrega dos documentos.

Eziquiel Edson FARIA.
Presidente da ABRAGUARDAS - Maiores informações: tel. 7749-5028.

--
ATT.:

Associação Brasileira dos Guardas Municipais - ABRAGUARDAS
Tel: 3223-0490
Nextel : 7749-5028
ID:100*14505
Endereço: Largo do Paissandú nº 51 Conj. 615

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Prefeitura Militar de São Paulo

Autor: Wagner Pereira

A presença atual da Policia Militar do Estado de São Paulo na Prefeitura do Município de São Paulo consegue superar a do período Governo Militar (1964/1985), pois o inimaginável aconteceu, há mais Coronéis Policiais Militares ocupando cargos no município do que na própria Corporação, inacreditavelmente não há qualquer resignação por parte da população e das entidades favoráveis a democratização do estado.

Na matéria "Coronéis dominam Subprefeituras", publicada no Portal do Jornal da Tarde, os números são impressionantes, são 78 Coronéis da Reserva prestando serviços na administração contra 61 na ativa da Polícia Militar, sendo 14 subprefeitos, podendo chegar a 16, num total de 31 subprefeituras.

Na atividade delegada já são 6.200 Policiais Militares envolvidos, o que representa quase a totalidade do efetivo da Guarda Civil Metropolitana.

O silêncio das entidades e do Ministério Público quanto à legalidade da atividade delegada é absurdo, pois faz sangrar a Constituição Federal ao permitir que um Policial Militar trabalhe 27 dias por mês com duas fontes pagadoras públicas, além de questionarmos se é ético e moral contratar servidores públicos aposentados para cargos em comissão, pois se tinham condições de trabalhar porque se aposentaram?

A resposta é simples: para aumentar sua renda.

O mesmo ocorre em gerar emprego para quem já tem, enquanto a população sofre para se inserir no mercado de trabalho.

Os Municipais demonstra sua insatisfação por entender que há um enfraquecimento do município e uma desvalorização de todos os seus servidores públicos, sendo que os profissionais da Polícia Militar deveriam se ater a sua atividade fim, que é promover segurança pública, que por sinal se encontra em estágio terminal, devido o crescente da violência e do crime organizado.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A inteligência policial na prevenção e na repressão ao crime

Autor: Archimedes Marques
Delegado de Policia - Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe

Com a crescente onda da criminalidade em que os delinqüentes buscam cada vez mais a modernidade para a concretização dos seus atos delituosos, estudando sempre novos métodos para dificultar o trabalho da Polícia, esta por sua vez, há sempre de acompanhar a evolução dos tempos para que então realize integralmente seu potencial como função efetivamente especializada de combate ao crime.

A fuga do controle da violência gerada por vários motivos, dentre os quais, pelo sucateamento da Polícia ao longo dos anos, fez com que o atual Estado brasileiro passasse a correr atrás de novas soluções na tentativa de conter, ou pelo menos amenizar o problema da insegurança reinante no país.

Dentre as controversas tentativas advindas de articulações policiais ilusionistas tipo ações pirotécnicas e miraculosas ou outros tantos super planos que morreram quase sempre no nascedouro da proposta de superar o problema da violência, sobreviveu a alternativa plausível que demonstrou melhor sua força e vitalidade, se transformando em real trilha a ser seguida por todas as Policias do Brasil, qual seja, a inteligência policial como ótima ferramenta que deve ser usada para revitalizar os obsoletos paradigmas da nossa segurança publica.

Para superficialmente entrar no tema com o breve texto é de bom alvitre assinalar o entendimento do Delegado de Polícia aposentado, hoje Consultor de Inteligência, Escritor e Professor, CELSO FERRO, um dos maiores estudiosos no assunto, quando diz: “A inteligência policial é a atividade que objetiva a obtenção, analise e produção de conhecimentos de interesse da segurança pública, sobre fatos e situações de imediata ou potencial influencia da criminalidade, atuação de organizações criminosas, controle de delitos sociais, assessoramento às ações de polícia judiciária e ostensiva por intermédio de analise, compartilhando a difusão de informações.”

Assim, a inteligência policial busca e produz conhecimentos para auxiliar as ações policiais, ou seja, destaca-se como se fosse uma assessoria administrativa inerente a levantar dados, informes, a fabricar informação do interesse da segurança pública, que tanto pode ser usada na prevenção quanto na repressão ao crime.

Dentro deste patamar ideológico alguns Estados brasileiros saíram na frente nesta verdadeira corrida de obstáculos para melhor proteger o seu povo, formando então nas suas Polícias as modernas e boas equipadas divisões, serviços ou setores de inteligência policial, transformando-as até em bases de exemplos positivos das suas gestões administrativas.

Neste sentido o Estado de Sergipe é referencia e possui um bom projeto de inteligência policial. Os fatos noticiados pela mídia comprovam esta assertiva através das inúmeras ações positivas em prol da sociedade decorrentes do desmonte de quadrilhas perigosas de marginais, da apreensão constante de grandes traficantes de drogas, doutros bandidos não menos perigosos e da solução de investigações policiais de maiores repercussões no nosso Estado, embora muito ainda falte para se alcançar o auge.

Entretanto, nesta mesma trajetória a maior parte dos Estados brasileiros continua caminhando tímida e lentamente, talvez até freados pelo desestímulo salarial pertinente às classes policiais que ainda toma conta da maioria dos seus membros, ou talvez pela falta de consciência dos seus gestores para investirem em melhores políticas de segurança pública.

Assim, de uma maneira geral, infelizmente ainda assistimos as falhas da Polícia preventiva que não consegue evitar o crime, assistimos as falhas da Polícia repressiva que não consegue reprimir o crime com boas investigações, assistimos a Justiça rapidamente soltar os diversos criminosos de toda espécie, às vezes, por conta dos inquéritos policiais frágeis, desprovidos de boas provas que conseqüentemente transformam as denúncias Ministeriais em instrumentos fáceis de serem vencidos pela Advocacia criminal e, assistimos enfim, o povo atônito sem saber o que fazer diante da crescente violência que assola todos os lugares, vez que, com a impunidade decorrente disso tudo crescem os valores criminosos.

Correndo na contramão desta esperançosa espécie de panacéia policial, muitas políticas de segurança pública dos Estados ainda teimam em repetir projetos fracassados e do fracasso usam-se doses maiores de remédios inúteis ou com validades vencidas no afã de estancar a epidemia da insegurança que se alastra por todo canto.

Reconhecer o papel essencial como recurso digno de investimento voltado para a inteligência policial, deve ser preeminente em todos os Estados brasileiros, pois em assim sendo, estaremos somando os esforços para fazer frente à preocupante e crescente problemática.

Os principais e mais adiantados países do mundo estão combatendo a criminalidade e a violência melhor investindo em planos relacionados e interligados à inteligência policial e é dentro deste contexto que o Brasil também deve caminhar, ao mesmo tempo em que deve ceifar de vez aqueles projetos que restaram infrutíferos.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

A questão da Falta de Segurança

Autor: Claudio Lessa.
Âncora, repórter e editor. Trabalhou na Rede Globo, Radiobrás, Voz da América, Rede Manchete, Rádio JB e CBS Brasil. Foi correspondente na Casa Branca durante vários anos. Vive e trabalha em Brasília atualmente.

Em Brasilia, dono de padaria foi assaltado sete vezes nos últimos três anos. Em todas as ocasiões, os ladrões levavam o dinheiro e iam embora, sem ferir ninguém. Na sétima vez, no entanto, os dois rapazes não perdoaram: esfaquearam o padeiro, que morreu a caminho do hospital. Em países onde um mínimo de seriedade é levado em conta, a família da vítima tem o direito de processar o Estado por um motivo simples: é patente que a falta de segurança – um dever do Estado, que a proveria por meio do pagamento dos escorchantes impostos – foi o fator determinante para a morte daquela pessoa.

No Brasil, não. A “justiça” chegou ao entendimento de que é impossível aceitar processos dessa natureza porque, segundo os luminares de toga, o país iria entrar em colapso financeiro se todas as pessoas vitimadas da mesma maneira buscassem uma solução como essa – responsabilizando o Estado pela falta de segurança.

O curioso é que a “justiça” – integrada em sua esmagadora maioria de postos-chave por pessoas indicadas e nomeadas politicamente, e não por meio de concurso público, onde não há rabo preso – não age com o mesmo rigor e fulminância no outro extremo do pêndulo.

Em outras palavras: não pune com cadeia, perda de direitos políticos, confisco de bens etc todos aqueles que corrompem e se deixam corromper no âmbito dos três poderes, causando o desvio de uma dinheirama que seria, de outra forma, empregada correta e adequadamente na proteção dos habitantes de um país contra criminosos comuns (sem falar no emprego correto das verbas da saúde, educação, manutenção e construção de novas estradas etc).

Agora, a mesma justificativa esfarrapada e repleta de malas surge quando a “justiça” impede que milhares de pessoas roubadas pelos bancos há quase vinte anos recebam seu dinheiro. Segundo os luminares de toga, o pagamento das compensações por parte dos bancos poderia provocar a quebra do sistema bancário do país, tal o volume de dinheiro a ser restituído. Além de ser uma mentira deslavada, fica evidente o conluio entre o sistema bancário, o governo e seu “judiciário”: nunca os banqueiros ganharam tanto dinheiro (e num governo dito de “esquerda”), nunca os correntistas foram tão lesados dentro e fora dos tribunais quando questionaram as indecentes taxas cobradas pelos bancos. Não é preciso ser Sherlock para saber que aí tem coisa, e que essa coisa não é boa.

Essa mesma “justiça” é a que pune seus coleguinhas com aposentadoria integral quando alguém é pego com a boca na botija e fica impossível de encobrir o sol com a peneira, como foi o caso daquele desembargador pilantra que vendia sentenças da maneira mais tosca possível.

Enquanto isso, o achincalhe continua: agora, no horário eleitoral, um idiota útil para o sistema pergunta, sem rodeios: “você sabe o que faz um deputado federal?” E ele mesmo responde, segurando a gargalhada: “Para dizer a verdade, eu não sei. Mas vote em mim que depois eu te conto.”

Resumo da ópera bufa: ainda vai piorar, e muito, antes de melhorar. O chato disso tudo é que voltaremos, lamentável e desnecessariamente, aos tempos do faroeste – onde a eliminação física será a lei da terra, com cada um fazendo valer a palavra dada e os contratos assinados por meio do cano de um revólver – antes que a macunaímia entenda que é preciso fazer um esforçozinho e subir o nível. Mas aí continuará sendo tarde demais. Os demais países estarão lá na frente, e o fazendão… será o fazendão.

Publicado originalmente no Portal Direto da Redação.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Moralize Já!

Autor: Wagner Pereira

A Eleição de 2010 para o Câmara dos Deputados foi tratada em tom de brincadeira, com desleixo, para alguns especialistas como votos de protesto, esquecendo que protestar sem fundamento é burrice, chegando ao ponto de termos mais de 2 milhões de votos sub judice somente no Estado de São Paulo.

A Lei Complementar nº 135/2010 causou tanta polêmica que nem a Suprema Corte foi capaz de definir sua aplicabilidade nas eleições deste ano, porém, expôs a fragilidade da Democracia Brasileira, que permitiu partidos inscreverem para o pleito candidatos com condenação judicial e pior foi a postura do eleitorado que prestigiou com seu voto essas candidaturas, foram 497.203 votos para Paulo Maluf ao cargo de Deputado Federal.

A esculhambação eleitoral foi a postura adotada na candidatura de Francisco Everardo Oliveira Silva, conhecido como Tiririca, ao cargo de Deputado Federal pelo Partido da República, recebendo a segunda maior votação da história com 1.353.820, que na reta final da eleição veio a tona que o candidato seria analfabeto, o que impediria sua diplomação.

Os defensores do quanto pior melhor bravateiam que o judiciário não pode intervir na sabedoria do voto popular, porém se esquecem que há regras na democracia, por isso é concebida no Estado Democrático de Direito.

O judiciário pode e deve moralizar esse sistema eleitoral não permitindo a diplomação desses candidatos e se possível aplicando penas exemplares aos partidos que ser quer verificaram a escolaridade de seus candidatos.

Tiriricamente falando, precisamos moralizar a coisa.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Campanha 2010, Tome uma Atitude!

Você Sabia?

- Mais de um bilhão de pessoas no mundo vive com menos de um dólar por dia;

- Cada dia, morrem, por causa da fome, 24 mil pessoas. 10% das crianças, em países em desenvolvimento, morrem antes de completar cinco anos...

- um terço da população é mal alimentado e outro terço está faminto.

- Que a cada dia 275 mil pessoas começam a passar fome ao redor do mundo. O Brasil é o 9º pais com o maior número de pessoas com fome...

- Atualmente, cerca de 1,2 bilhão de pessoas se encontra no estado de alta pobreza devido às condições climáticas de suas regiões.

Você Sabia?

- Mais de um bilhão de crianças, a metade dos menores do mundo, é castigado pela pobreza, as guerras e a Aids;

- Todos os dias, o HIV/AIDS mata 6.000 pessoas e infecta outras 8.200 .

- Todos os anos, seis milhões de crianças morrem de má nutrição antes de completar cinco anos.

- Cerca de 90 mil crianças e adolescentes são órfãos no Brasil, à espera de uma adoção.

- a escassez de água já atinge 2 bilhões de pessoas. Esse número pode dobrar em 20 anos...

Você Sabia?

- Cerca de 100 milhões de pessoas estão sem teto;

- No Brasil, são 33,9 milhões de pessoas sem casa. Só nas áreas urbanas, são 24 milhões que não possuem habitação adequada ou não têm onde morar.

- Que vinte e cinco milhões de pessoas são dependentes de drogas no mundo;

- Que os indígenas continuam a ser vítimas de assassinatos, violência, discriminação, expulsões forçadas e outras violações de direitos humanos.

Você Sabia?

- Mais de 2,6 bilhões de pessoas não têm saneamento básico e mais de um bilhão continua a usar fontes de água imprópria para o consumo.

- Cinco milhões de pessoas, na sua maioria crianças, morrem todos os anos de doenças relacionadas à qualidade da água.

- No mundo inteiro, 114 milhões de crianças não recebem instrução sequer ao nível básico e 584 milhões de mulheres são analfabetas.

Você Sabia?

- Que é gasto 40 vezes mais dinheiro com cosméticos do que com doações...

- é gasto 10 vezes mais dinheiro com armas do que com educação básica;

- O Brasil é campeão mundial de desmatamento. Em segundo lugar está a Indonésia: 18,7 km2 por ano e, em terceiro, segue o Sudão, com 5,9 km2.

- O país perdeu um campo de futebol a cada dez minutos na Amazônia, nos últimos 20 anos.

...Agora você já sabe.

E vai ficar aí parado? Tome uma atitude.

Milhões de Pessoas em Pobreza Extrema Precisam da sua Ajuda!

Seja Voluntário você Também!

Por Marcio Demari

PLANETA VOLUNTÁRIOS
Porque ajudar faz bem !

A maior Rede Social de Voluntários e ONGs do Brasil !!!

sábado, 16 de outubro de 2010

Pequeno Grão

Autor: Marcelo Dutra de Almeida
Guarda Civil Metropolitano da Cidade de São Paulo
Cursando Sociologia e Política na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP-SP)

Mesmo que em alguns momentos da vida você pense que é simplismente um "pequeno grão" de areia, se de fato for, como acredito que somos. Seja este "pequeno grão" a cutucar os olhos de todos os companheiros azuis que em muitos momentos estão no ócio a espera de um barranco para se encostar!

Seja este "pequeno grão" a incomodar os olhos daqueles que uma vez estando do lado de dentro prejudicam mais do que os que estão do lado de fora!

Seja este "pequeno grão" a inflamar os olhos daqueles que de fora se posicionam contra nós sem ao menos conhecerem nossa hitória!

Seja este "pequeno grão" a irritar provocando a nossa visão, para que na tentativa de eliminar o incomodo notemos ainda mais como estamos passivos diante a deteorização de nossa existência azulada.

Faça de fato aquilo que vc tem como vocação natural, não fugindo da sua ecologia e não abrindo mão de atuar como já atua. Fazendo uso de habilidades especiais ancoradas em um elevado espirito de corpo/grupo, que não deixa para trás suas origens/história e estendendo as mãos para aqueles que a exemplo do mito da caverna de Platão, ainda estão amarrados aos grilhões da ignorância e detestam a luz do conhecimento que priva a muitos de verem de fato como a realidade se apresenta e preferem viver na escuridão da comodidade.

Você Guarda Civil Metropolitano é aquele que quebrando as correntes, foge, vislumbra a sabedoria e encantado por ela tenta retornar como um farol a iluminar melhor a direção para nossa fuga dessa caverna, quando nós somos os maiores responsáveis por onde estamos agora.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Importância das Guardas Municipais

Autor: Elvis de Jesus
Inspetor da Guarda Municipal de São José dos Campos SP
site: http://www.inspetorelvis.com.br/
email: gcmelvis@hotmail.com

A CONSTITUIÇÃO FEDERAL, tão comentada nos artigos onde a temática é GUARDA MUNICIPAL, não limita nossas Corporações a VIGIAR PATRIMÔNIOS DOS MUNICIPIOS, faça meu caro prosélito, uma leitura mais acurada, mais atenta e especialmente isenta, do § 8º do Art. 144, da nossa CF, “BENS, SERVIÇOS E INSTALAÇÕES”, procure posteriormente a interpretação dentro das regras de hermenêutica jurídica o que é definido como BENS, SERVIÇOS e INSTALAÇÕES, tire suas próprias conclusões, caso não consiga a correta e isenta interpretação solicite a devida ajuda a um jurisconsulto para que esse o faça.

-Não cabe aqui uma aula sobre Direito Constitucional, ou eu o pediria com a máxima vênia para que olhasse também o Art. 182 da precitada Constituição Federal, o “Bem Estar” dos cidadãos é de responsabilidade dos PREFEITOS, esse bem estar pode ser interpretado como sendo também a SEGURANÇA, posto que a vida é o maior bem que possuímos, tanto o é que é TUTELADO PELO ESTADO (Estado meu caro é ORGANIZAÇÃO POLITICO ADMINISTRATIVA, não é o grande estado do Amazonas, Minas, Rio de Janeiro ou São Paulo entre outros entes federados que constituem física e politicamente nossa miserável REPÚBLICA).

-Uma leitura do Art. 78 do Código Tributário Nacional também merecia uma breve leitura e uma longa reflexão, poder de polícia, NÃO é poder da policia militar, é uma faculdade da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, nos três níveis de GOVERNO e de ESTADO.

-Impedir o avanço da nossa sociedade é o mesmo que tentar enxugar o chão com a torneira aberta, veja meu caro clítico, quanto nos avançamos em termos de sociedade… em outras datas muito provavelmente você na condição de miliciano jamais poderia vir a público externar sua opinião, nem a favor e nem contra, quem diria a apenas algumas décadas que haveria o hipertexto, conexões em altíssima velocidade, que nossas viaturas (a minha e a sua) seriam rastreadas em tempo real por meio de satélites, quem diria que seriamos uma democracia consolidada, que emprestaríamos dinheiro ao FMI, já pensou nisso??. Então meu caro miliciano, o melhor a fazer é se ajustar aos novos tempos, às novas tendências e aceitar o fato que somos forças policiais, que os municípios não estão hierarquicamente subordinados aos estados e nem aos seus agentes políticos, em especial aos Policiais Militares (Na ativa são CONTRA, na reserva quando cai à ficha que são autoridades temporais, querem ser DIRETORES, CHEFES ou COMANDANTES, colocam pedras nos nossos caminhos na ativa e depois tem que pisar em cima delas na reserva, quando são GUINDADOS aos referidos cargos).

-Treinamento para ser policia??? é minha área de atuação, afirmo de forma categórica que Guardas Civis Municipais ou Guardas Municipais como preferem alguns, são tão inteligentes quanto Policiais Militares, a massa encefálica é a mesma, a estrutura corporal é a mesma, atuar em cenários de alto risco?, em centros urbanos complexos (Cidade do Rio ou São Paulo), somente depende de liberação de meios materiais e treinamento para a ação, mas…. nos limitam em tudo, fazem lobyyes para nos diminuir, espalham boatos e mentiras, ameaçam prefeitos e vereadores de “retirar o policiamento” das cidades que criarem Guardas Municipais (Vide Diretrizes Operacionais dos Comandantes Gerais), quero que me demitam se estiver errado.

Deixo para as intelectas reflexões o inicio do discurso do Cônsul Romano Marco Túlio, “Quousque abutere tandem Catilinia, patientia nostra” (Até quando Catilinia, vão abusar de nossa paciência), nivelam tudo por baixo, acreditam piamente que a vida inteligente habita somente em meio às milícias estaduais, falem para esse velho Inspetor de GCM - Qual o instrumento constitucional que criou a FORÇA NACIONAL???, as Policias Militares e Bombeiros Militares tem atuação territorial definida somente dentro dos respectivos entes federados não é??? (Algo irmão que nós gestores públicos denominamos de: PACTO FEDERATIVO, palavra e conceito incomum para o povo brasiliano), interessante…. quando o assunto é PM, pode tudo, quando é com a GCM - Olha a Constituição aí gente !!!!!!!!

O artigo foi publicado originalmente em forma de comentário no Portal "Diário de um Juiz"

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Livros para quem não pode ler

O Brasil esteve por muito tempo à frente de outros países da América do Sul quando o assunto era assistência aos cegos. Em 1854, a cidade do Rio de Janeiro foi pioneira na readaptação dos deficientes visuais, tendo criado o primeiro Instituto de Cegos da América do Sul, hoje conhecido como Instituto Benjamin Constant.

Do século XIX para cá, diversos avanços ocorreram, mas não o suficiente para integrar por completo o portador de necessidades especiais a todos os espaços sociais. Segundo dados do último censo do IBGE, realizado há nove anos, os deficientes visuais somam mais de 16 milhões da população brasileira.

O quadro não é muito animador. Em pleno século XXI, os meios de comunicação mostram ter muita dificuldade em adaptar a sua programação não só a deficientes visuais, mas também auditivos. Quantos canais abertos de televisão utilizam legendas? Quantas editoras se preocupam em fazer versões em áudio de seus livros? Quantos jornais impressos oferecem as suas notícias em áudio? Quantos filmes fazem versões audiodescritas?

Com a proposta de criar oportunidades, autonomia e independência para os cegos, associações e ONG's têm investido cada vez mais na inserção social dos deficientes visuais.

Uma dessas instituições, a Audioteca Sal e Luz, criada em 1986, é especializada na produção de audiolivros para cegos e deficientes visuais. Localizada num antigo sobrado da rua Primeiro de Março, centro do Rio de Janeiro, a Audioteca conta hoje com mais de 2700 títulos, gravados com a ajuda de leitores voluntários, e atende à quase 2.000 deficientes.

Sérvio Túlio Cardoso, administrador da Audioteca, diz que a procura maior está no gênero literário, embora o acervo de livros didáticos também seja rico. "A questão didática vai muito da necessidade dos cursos e concursos que eles estejam fazendo", salienta Cardoso.

Os audiolivros podem ser enviados para qualquer lugar do país sem custo para o deficiente. Marcos Bittencurt, coordenador do curso de capacitação de ledores da Audioteca, destacou que a qualidade da gravação é um fator secundário: "Ainda hoje, a qualidade não é o mais importante. O interessante é que ele tenha o material para estudar, ler e se apoiar".

Não só para cegos

A popularidade dos audiolivros não está só entre aqueles que sofrem algum tipo de deficiência visual. Pensando na correria da vida moderna, na dupla jornada de trabalho e no imediatismo da informação - quando muita gente troca a leitura convencional de um livro pelas telas (da televisão do computador) -, as editoras de livros têm investido cada vez mais nos audiobooks ou livros falados. Nesse caso, geralmente, o narrador é profissional, que enriquece o texto com sua interpretação.

Induzir o ouvinte a interpretar o texto de acordo com as intenções do narrador é uma das críticas a audiolivros. Bittencurt, que faz a capacitação dos ledores voluntários na Audioteca, defende moderação da inflexão durante a leitura com atributo para que o ouvinte não seja sugestionado: "Nem pode ser uma leitura monocórdia, rígida, nem pode ser dramatizada. O ledor tem que entender o espírito do autor e ser uma ponte o mais transparente possível" explica.

Apesar dessa advertência, a leitura branca, sem nenhum tipo de interpretação, não é a opção preferida de muitos ouvintes e ledores. O radialista Milton Schinca, ledor da Fundação Braille do Uruguai, escreveu um artigo intitulado "Confissõe de alguém que lê para cegos", no qual defende que o ideal não é dramatizar o texto, mas torná-lo, agradável para quem escuta. "A leitura branca logo se toma tediosa e, talvez, não seja tolerada por muito tempo", diz Schinca.

Embora sejam de diferentes países, Bittencurt e Shinca compartilham da mesma opinião em relação à necessidade de uma inflexão moderada ao longo do texto. O trabalho de gravação de livros pode durar meses ou até anos, tudo depende da disponibilidade do ledor quando, se trabalha com voluntariado, e do número de páginas do livro.


Para saber mais

Audioteca Sal e Luz
Endereço: Rua Primeiro de Março, 125
7º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ Tel: (21) 2233-8007

Associação Fluminense de Amparo aos Cegos
Endereço: Padre Leandro, 18- Fonseca- Niterói-RJ
Tel: (21) 2717-2822

Instituto Benjamin Constant
Endereço: Avenida Pasteur, 350/368 -Urca - Rio de Janeiro - RJ
Tel: (21) 3478-4400

Rádio Legal -"Uma rádio feita por cegos"

Midiace - Associação Mídia Acessível

Audiolivraria do Brasil
Tel: (21) 4063-4909

Extraído do Portal Sal e Luz.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Planeta Voluntários - Porque Ajudar Faz Bem.

O que surpreende mais: o fato de vivermos em um mundo onde um quarto da população vive em estado de pobreza absoluta?

Ou o fato de pela primeira vez possuirmos a riqueza, a tecnologia e o conhecimento para criar um mundo livre da pobreza em menos de uma geração?

O desafio do mundo é uma chamada para a ação, uma busca por soluções de assuntos como a pobreza, a fome e a poluição, que são patentes onde vivemos.

A pobreza afeta a vida de 20 milhões de brasileiros. Dentre eles, as crianças, que são perto de um terço do desenvolvimento do mundo. Precisamos alimentar o futuro, melhorar o acesso à educação, desenvolver oportunidades e transformar esta cruel realidade.

Doe uma porção do seu tempo para a caridade e faça parte do time para acabar com a pobreza. Descubra como você, sua empresa ou organização podem fazer a diferença.

Todos serão mais ricos sem a pobreza. Vamos juntos restabelecer a esperança e resgatar a dignidade daqueles que as perderam na injustiça social.

Link - http://www.planetavoluntarios.com.br/
email - contato@planetavoluntarios.com.br

domingo, 10 de outubro de 2010

Dia da Guarda Municipal

As Guardas Municipais foram efetivadas juridicamente com a Constituição Federal de 1988, que em seu artigo 144 facultou aos Municípios constituir essas Corporações para proteção de seus bens, serviços e instalações, inserindo o Poder Público Municipal como integrante do sistema de segurança pública nacional.

O reconhecimento da importância das Guardas Municipais é notório e recebe o apoio da população, embora receba algumas críticas em sua atuação pela inexistência de norma federal que defina suas atribuições.

Este é o primeiro ano em que se comemora o Dia da Guarda Municipal, instituído pela Lei nº 12.066 de 29 de outubro de 2009, que definiu a data para 10 de outubro.

Neste domingo o Blog “Os Municipais” parabeniza todas as Guardas Municipais do território nacional pela luta em promover segurança à população de suas cidades, tornando-se cada vez mais uma alternativa ao modelo atual de segurança pública.


sábado, 9 de outubro de 2010

Classificação Prêmio Top Blog - Edição 2010

Aos nossos Leitores,

Top Blog Prêmio é um sistema interativo de incentivo cultural destinado a reconhecer e premiar, mediante a votação popular e acadêmica (Júri acadêmico) os Blogs Brasileiros mais populares, que possuam a maior parte de seu conteúdo focado para o público brasileiro, com melhor apresentação técnica específica a cada grupo (Pessoal, Profissional e Corporativo) e categorias.


É com imensa satisfação que informamos que o Blog “Os Municipais” foi classificado nos Top 100 da categoria Comunicação do Prêmio Top Blog Edição 2010, o credenciando para a disputa do 2º Turno.

O período de votação do SEGUNDO TURNO pelo Júri Popular (Internauta) e avaliação pelo Júri Acadêmico é do dia 10/10/2010, às 02:00am até 10/11/2010, às 11:55pm horário de Brasília.

São eleitos vencedores do TOPBLOG PRÊMIO JURI POPULAR / TOP3 - os Três Blogs que obtiverem em sua categoria o maior número de votos pelos internautas (Júri popular), sendo respectivamente primeiro colocado (TOP1), segundo colocado (TOP2) e terceiro colocado (TOP3).

São eleitos vencedores do TOPBLOG PRÊMIO JURI ACADÊMICO / TOP3 - os Três Blogs que obtiverem em sua categoria a maior nota nos critérios técnicos constituídos pelo júri acadêmico, sendo respectivamente primeiro colocado (TOP1), segundo colocado (TOP2) e terceiro colocado (TOP3).

Estar entre os 100 Blogs classificados é uma conquista de todos nós, pois conseguimos despertar o interesse para o debate sobre os rumos da segurança pública e urbana em nosso país.

Encaminhamos aos organizadores sugestão para criação da categoria segurança pública para edição de 2011 e obtivemos a resposta que a mesma será analisada.

Os Municipais agradece a participação efetiva de nossos colaboradores, seguidores e leitores que são os responsáveis pelo nosso sucesso.

Atenciosamente

Wagner Pereira
   Moderador

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

TRÂNSITO - VIOLENTO E TRAIÇOEIRO

Autor: Alírio França Vilas Boas

Está tornando banal qualquer notícia sobre as atrocidades ocorridas diariamente no trânsito, quer urbano ou não. Urge a necessidade de medidas eficazes.

Hoje se pensa muito em fazer fiscalização eletrônica, deixando fora do visual do infrator a figura do Agente Fiscalizador (Ser humano), que se não for o maior fator inibidor, seguramente é um dos mais relevantes. Por mais sofisticados que sejam os diversos equipamentos eletrônicos, não conseguem impedir tanta desgraça.

Noticia na mídia em geral conta diariamente os verdadeiros absurdos ocorridos nas mais variadas situações, motoristas embriagados, dirigindo na contramão, menor de idade ao volante, condutor sem habilitação, veículos em mal estado de conservação e muitos outros.

Para especialistas, as estatísticas oficiais no Brasil não relatam a real situação do trânsito no país. Por exemplo, os números oficiais de mortos no Brasil, vítimas de acidentes de trânsito não passam dos 35.000 por ano, porém sabe-se que são contados apenas aqueles que morrem no local do acidente.

Não há um acompanhamento, mesmo que a vítima morra na ambulância a caminho do hospital, ela não será contabilizada. Muitos acreditam que esse número passe dos 50.000 mortos por ano. (A maioria das cidades brasileiras não possui tal número em habitantes). Sem levar em conta o número imensurável de vitimados e que não fazem parte de nenhuma estatística, como por exemplo: os que ficam com sequelas, mutilados, paraplégicos, tetraplégicos ou com outra lesão.

Na Europa as campanhas publicitárias enfocam com muita agressividade os assuntos relacionados ao excesso de velocidade, bebida e negligência de certos motoristas.

No Brasil a Lei número 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro), possui 341 artigos que proporcionam instrumentos e condições para que o processo de circulação de bens e pessoas através do espaço físico brasileiro, tanto rural como urbano, se desenvolva dentro de padrões de segurança, eficiência, fluidez e conforto.

O crescimento desordenado da população e a facilidade para adquirir um automóvel, geraram elevado número de veículos nas ruas, especialmente nas capitais e vários municípios do interior. Enfrentar o trânsito diariamente nas grandes metrópoles é irritante.

Obras intermináveis, engarrafamentos, buracos, assaltos etc.

A pessoa fica mal humorada ao volante. Motoristas andam colado para-choque com para-choque, para não dar entrada a outro carro na sua frente, atitude que coloca em risco seu veículo e os demais adjacentes.

O ser humano é passível de erro, porém, no transito a pessoa quando erra, mesmo involuntariamente é desacatada pela grande maioria que presenciou o fato, o que contribui para sucessivas manobras erradas, respostas de baixo calão, brigas e mortes, trajetória caótica no dia a dia do famigerado trânsito urbano.

Até quando???